appaaaOs policiais militares que foram deslocados nesta terça-feira (10) para atuar na segurança da Assembleia Legislativa do Paraná por causa do protesto dos servidores públicos ainda não foram substituídos. Alguns deles estão no local há mais de 24 horas seguidas e estariam trabalhando praticamente sem descanso, já que o revezamento de plantão que fizeram durante a madrugada foi de apenas duas horas. Além disso, a alimentação também é precária e, para se manterem hidratados, eles recebem água dos próprios manifestantes. Quem conta é um PM ouvido pela BandNews que pediu para não ser identificado. Ele conversou com Daiane Andrade.

[jwplayer player=”2″ mediaid=”42202″]

Ele explica ainda como foi o revezamento para descanso durante a madrugada e fala sobre os problemas financeiros que muitos policiais enfrentam por causa de atrasos nos pagamentos. E, além disso, os agentes deslocados para a Alep estariam sem contato com a família.

[jwplayer player=”2″ mediaid=”42200″]
A Assembleia Legislativa foi ocupada pelos manifestantes no fim da tarde de ontem. Eles passaram a noite acampados no prédio. Ao longo da tarde, mais de 10 mil servidores – entre professores, funcionários da saúde e da segurança – acompanharam a sessão do lado de fora, em frente ao Palácio Iguaçu. Milhares deles decidiram invadir a Alep depois que os deputados aprovaram, por 34 votos a 19, o regime de Comissão Geral para votar os projetos de lei encaminhados pelo governador Beto Richa (PSDB). Houve corre-corre, mas ninguém se feriu. A Polícia Militar não fez nenhuma intervenção. O major Alex Breunig esclarece que a orientação é para respeitar o direito de greve dos funcionários.

[jwplayer player=”2″ mediaid=”42204″]
Ainda conforme o major, que admitiu o problema, o militar estadual – desde que inicia a carreira – sabe que está sujeito a situações atípicas e imprevisíveis como essa. Ele garante, no entanto, que as horas trabalhadas a mais vão ser compensadas em breve.

[jwplayer player=”2″ mediaid=”42205″]
A paralisação dos professores atinge 100% das escolas públicas e quase um milhão de alunos seguem sem aulas por tempo indeterminado. Os servidores protestam contra o pacote de medidas proposto pelo governo do estado na semana passada. Em nota, a assessoria de imprensa da PM informa que todos os agentes de prontidão na Alep estão devidamente alimentados e hidratados. Conforme o documento, eles dispõem de cadeiras para descansar e se revezam em turnos para não trabalharem por longos períodos sem parar.

Fonte: Bande News FM

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.