Alex Celestino
Alex Celestino
Alex Celestino
Colunista:Alex Celestino

A falta de informação das pessoas aliada à falta de segurança do Windows traz sérios riscos, não é de hoje. Um programa com código malicioso executado no computador pode fazer coisas das mais terríveis. Tudo bem, isso já é do conhecimento de todos, mas de qualquer forma as pessoas precisam usar seus computadores, e estes devem estar livres de pragas. Use antivírus. Use antispyware. Use firewall. Até que ponto isso é verdadeiro? Muita gente se surpreende comigo quando digo: eu não uso antivírus! Recuso-me até a morte (ou, quem sabe, até que um vírus me prove o contrário. E não recomendo, sinceramente. Tudo fica mais lento. Mesmo em PCs atuais, sou meio contra a idéia de haver um programa tendo que monitorar todos os dados no meu computador em tempo real, em busca de um código malicioso. Isso é coisa para sistemas operacionais incompetentes. O que não vem a ser totalmente o caso do Windows, pois quem está diante do sistema é uma pessoa. É a pessoa que deveria saber o que abrir, o que fazer e como agir. Ninguém nasce sabendo, então trago aqui algumas noções importantes para detectar e eliminar boa parte dos malwares que infectam o Windows. Além, é claro, de tentar conscientizar um pouco sobre medidas de segurança que boa parte das pessoas sabem – ou pelo menos já ouviram falar – mas não se dão ao trabalho de cumpri-las. Esses dias entrou um malware no computador de uma amiga, daqueles que ficam enviando mensagens pelo MSN. Eles detectam a janela de conversa aberta e enviam comandos à mesma, fazendo com que um texto seja enviado para a pessoa com a qual a outra esteja conversando – como se tivesse sido digitada pela pessoa. Minha amiga estava com o nick “Tá enviando vírus, não clique!”. E logo que abríamos a conversa normalmente vinham lá alguns dizeres “Olha as fotos que eu tirei com fulano, veja aqui…” seguido de um endereço de um site suspeito. Claro, clicando, mais uma pessoa seria infectada. Além disso, vai saber o que esse programinha não fazia nos bastidores. Hoje em dia roubar dados é a principal idéia dos malwares: senhas, contatos, tudo o que foi digitado. Foi-se o tempo em que vírus destruía para se exibir. Numa seção de “exorcismo” virtual, ajudei essa amiga pelo MSN mesmo, de uma forma simples. Ela estava passando desesperada o AVG e um antispyware, e nada de eles detectarem a praga. Então lá fui eu. Pedi para ela abrir o gerenciador de tarefas do Windows na aba “Processos”, e me enviar uma imagem da tela. Com base nisso eu chutaria alguns processos e mandaria ela fechar. E isso foi feito. O malware foi fechado. A segunda parte foi um pouco mais complicada para ela, mas nada tão doloroso: abrir o MSConfig e desativar a inicialização do maldito (eu procuraria diretamente no registro, mas ela iria se perder). Depois de reiniciado o PC, esse pelo menos já era. AVG 0 x 1 Eu! Os malwares são programas como outros quaisquer. Na grande maioria das vezes, são programas que se configuram para iniciar junto com o Windows. E ficam fazendo sua ação. Seja enviar spam (usando o seu IP e a sua banda!), usar seu computador como servidor de um software P2P qualquer ou tentar capturar suas senhas. Esses quase sempre podem ser removidos manualmente, usando programas simples de monitoramento. A idéia é: eles estão abertos, vamos fechá-los! E se eles se configuram para serem iniciados junto com o computador, vamos remover essa configuração. Alguns casos mais graves podem ocorrer, onde os vírus mais “poderosos” se infiltram dentro de arquivos do sistema, corrompendo-os. Aí a coisa complica, seria tarefa mais para um antivírus (agora sim, automatizada) mas normalmente dá para restaurar arquivos do sistema, caso os arquivos infectados sejam os nativos do Windows.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.