O Tribunal de Contas do Estado do Paraná (TCE-PR) emitiu medidas cautelares que determinam aos municípios de Cambé, Ibiporã e Londrina que disponibilizem, em seus portais de transparência, a íntegra dos próximos procedimentos licitatórios realizados e dos contratos celebrados; que adotem, nas futuras aquisições de medicamentos, o Código BR do Catálogo de Materiais do Comprasnet; e que  promovam pesquisa de preços no âmbito do Banco de Preços em Saúde (BPS), para subsidiar a formação dos preços referenciais e evitar a ocorrência de sobrepreço.

As cautelares foram concedidas pelo conselheiro Ivens Linhares em 3 e 6 de agosto, para Londrina e Ibiporã, respectivamente; e pelo conselheiro Artagão de Mattos Leão, em 6 de agosto, para Cambé. As liminares expedidas por Linhares foram homologadas na sessão do Tribunal Pleno realizada em 9 de agosto; e aquela expedida por Aratagão foi homologada pelo Pleno em 16 de agosto.

O TCE-PR acatou, em processos de Representação da Lei nº 8.666/93 (Lei Geral de Licitações e Contratos), as propostas do Ministério Público de Contas (MPC-PR) para a emissão das cautelares, em razão de os pregões realizados pelos municípios terem violado os princípios da isonomia, competitividade, publicidade, transparência e economicidade.

Representações da Lei nº 8.666/93

O órgão ministerial apontou a falta de praticamente toda a documentação referente às licitações nos portais de transparência dos municípios. O MPC-PR apontou as irregularidades em relação às aquisições de medicamentos pelo Poder Executivo do Município de Cambé no exercício de 2017, por meio dos pregões números 27/2017, 35/2017 e 58/2017; pelo Executivo do Município de Ibiporã, também em 2017, por meio dos Pregões números 28/2017, 48/2017, e 91/2017; e pelo Executivo do Município de Londrina nos exercícios de 2017 e 2018, por meio dos Pregões números 10/2017, 78/2017, 129/2017 e 63/2018.

De acordo com as representações, nos municípios houve violação ao princípio da publicidade, previsto no artigo 37 da Constituição Federal; ao artigo 8º, parágrafo 1º, III e IV, e parágrafo 2º, da Lei Federal nº 12.527/2011 (Lei de Acesso à Informação); e aos artigos 48, II, e 48-A, I, da Lei Complementar nº 101/2000 (Lei de Responsabilidade Fiscal -LRF).

O MPC-PR apontou, também, que não foi adotado o Código BR do Catálogo de Materiais do Comprasnet como identificador do medicamento que os municípios pretendiam adquirir; e que faltou a informação desse código ao BPS, em contrariedade ao artigo 1º da Resolução nº 18, de 20 de junho de 2017, da Comissão Intergestores Tripartite e ao artigo 15, I e V, da Lei Federal nº 8.666/93.

 

Decisão

Os conselheiros afirmaram que, realmente, não houve a disponibilização nos portais de transparência das pesquisas de preços que embasaram o valor de referência; do comprovante de publicação do edital; da íntegra das propostas ofertadas; da íntegra da ata da sessão de julgamento, com todos os pormenores ocorridos; dos pareceres técnicos e jurídicos; e dos contratos e atas de registros de preços, entre outros documentos.

Os relatores concluíram, então, que não foram atendidos plenamente os princípios da publicidade e da eficiência, o que teria inviabilizado o adequado exercício do controle social e das atividades dos órgãos de controle externo. Além disso, eles ressaltaram que a situação dificulta a detecção de possíveis irregularidades, como a prática de sobrepreço.

Os conselheiros destacaram, também, que a ausência de adoção do Código BR do Catálogo de Materiais do Comprasnet e a ausência de consulta ao BPS do Ministério da Saúde dificultam a clara identificação do medicamento a ser adquirido e reduzem a precisão das pesquisas de preços, o que gera a possibilidade de sobrepreço.

Linhares lembrou, ainda, que os artigos 1º e 2º da Lei Estadual nº 19.581, de 4 de julho de 2018, determinam a disponibilização da íntegra dos processos licitatórios pelos órgãos estaduais e municipais, em tempo real, em seus portais.

Finalmente, os relatores frisaram que a reiteração das irregularidades indicadas poderia permitir práticas lesivas ao erário de difícil ressarcimento, pois inviabiliza a padronização dos medicamentos a serem adquiridos e a comparação com os preços praticados no âmbito da administração pública, o que prejudica a competitividade das licitações e impede a geração de economia aos cofres públicos.

 

Citações

O Tribunal determinou a citação do Município de Ibiporã e do seu prefeito, João Toledo Coloniezi (gestão 2017-2020), para que, no prazo de 15 dias, comprovem o imediato cumprimento da cautelar; exerçam o contraditório em face das irregularidades noticiadas; e apresentem cópias integrais dos processos administrativos dos pregões números 28/2017, 48/2017, e 91/2017.

Além disso, determinou a citação do pregoeiro do Município de Ibiporã, João Paulo de Assis, e da empresa VP – Medicamentos para que, se quiserem, exerçam o direito de contraditório em face das irregularidades noticiadas no prazo de 15 dias.

Também foi determinada pelo TCE-PR a citação do Município de Londrina e do prefeito, Marcelo Belinati Martins (gestão 2017-2020), para que, no prazo de 15 dias, comprovem o imediato cumprimento da cautelar; exerçam o contraditório em face das irregularidades noticiadas; e apresentem cópias integrais dos processos administrativos dos pregões números 10/2017, 78/2017, 129/2017 e 63/2018.

Foram citados, também, os secretários de Gestão Pública do Município de Londrina, Fábio Cavazotti e Silva e Margareth Socorro de Oliveira; e as pregoeiras municipais Cristina Damiana dos Santos Caetano e Marlivia Gonçales dos Santos para que, se quiserem, exerçam o direito de contraditório em face das irregularidades noticiadas no prazo de 15 dias.

O Tribunal determinou, ainda, a citação do Município de Cambé e do seu prefeito, José do Carmo Garcia (gestão 2017-2020), para que, no prazo de 15 dias, comprovem o imediato cumprimento da cautelar; exerçam o contraditório em face das irregularidades noticiadas; e apresentem cópias integrais dos processos administrativos dos pregões números 27/2017, 35/2017 e 58/2017.

Ainda foi determinada pelo TCE-PR a citação de Simone Tito Freitas Pomini, que conduziu as sessões de julgamento do Pregão nº 27/2017 de Cambé; Thiago Moreno, pregoeiro desse município que adjudicou os itens do Pregão nº 35/2017; Conrado Ângelo Schellers, secretário Municipal de Administração e subscritor do edital do Pregão nº 27/2017; e as empresas Duomed Produtos Médicos e Hospitalares Ltda. e Cirúrgica Biomédica Ltda. para que, se quiserem, exerçam o direito de contraditório em face das irregularidades noticiadas no prazo de 15 dias.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.