O Tribunal de Justiça do Paraná, através do desembargador Paulo Hapner, manteve a liminar que impede que o relatório da Comissão Parlamentar de Inquérito, que investigou os contratos do Instituto Atlântico com a prefeitura de Cambé, seja votado pelos vereadores da cidade.

Veja a decisão abaixo:

II – Presentes os pressupostos extrinsecos e intrinsecos de admissibilidade, defiro o processamento do presente instrumental, limitando-me, nesta oportunidade a apreciar o requerimento de suspensividade.

III – Considerando que os artigos 527 e 558 do Codigo de Processo Civil, preveem a possibilidade de suspensao parcial ou total da decisao, mediante o preenchimento de determinados requisitos, a saber: a) que seja passivel de causar lesao grave e de dificil reparacao e b) fundamentacao relevante a sua concessao.
Pois bem, em analise superficial, nao se infere dos autos elementos suficientes a indicarem a relevancia da fundamentacao expendida, nao vislumbrando, em sede de cognicao sumaria, o preenchimento dos requisitos do fumus boni iuris e muito menos do periculum in mora, razao pela deve ser indeferido o pretendido efeito suspensivo.
Explico.
Diversamente do que defende o agravante as fls. 25/26, a decisao recorrida atendeu aos requisitos legais previstos na Lei processual e na Lei de mandado de seguranca, bem como se encontra devidamente fundamentado o entendimento la manifestado, nao se vislumbrando qualquer falha que autorize em sede de cognicao sumaria, o seu sobrestamento, tampouco reforma imediata.
Outrossim, a alegacao generica de que “o periculum in mora se materializa na propria demora natural do julgamento das questoes e na possibilidade de o Erario Publico sofrer serio risco se as conclusoes levantadas pela CPI nao forem alvo de investigacao dos orgaos competentes” e totalmente insuficiente para caracterizar uma “situacao objetiva de perigo”.
A luz das apontadas consideracoes, inexistindo, por ora, pretensao amparada em verossimilhanca da alegacao e muito menos se evidenciando situacao objetiva de perigo, bem como nao tendo a r. decisao singular qualquer traco teratologico de ilegalidade, hei por bem indeferir o pretendido efeito suspensivo ao presente instrumental.

IV – Comunique-se ao douto juizo singular o que ora de decide, oportunizando-lhe eventual juizo de retratacao e solicitando as informacoes de praxe.

V – De-se vista a Douta Procuradoria Geral de Justica.

VI – Intime-se o agravado, para querendo, apresentar resposta no prazo legal.

VII – Ultimadas as providencias necessarias, voltem conclusos.

Curitiba, 11 de novembro de 2011.

Des. Paulo Hapner, relator

1 COMENTÁRIO

  1. NOSSA QUE DECISÃO MAGNÍFICA… KKKK PARECE COMÉDIA. TANTO A JUÍZA QUANTO O DESEMBARGADOR FORAM INDUZIDOS AO ERRO PELO INSTITUTO ATLÂNTICO E PELO PREFEITO JOAO PAVINATO.

    A JUSTIÇA PERDE TEMPO EM PROIBIR A VOTAÇÃO DE UM RELATÓRIO QUE NA REALIDADE NÃO É VOTADO.KKKK

    NOS MEIOS JURÍDICOS E ADVOCATÍCIOS ISTO ESTÁ SENDO MOTIVO DE PIADA, MAS, AFINAL, O PREFEITO ESTÁ CONSEGUINDO O QUE QUER, MESMO POR VIAS SURPREENDENTES SEM PRECEDENTES NA HISTÓRIA DE CAMBÉ.

    O RELATÓRIO TEM RECOMENDAÇÕES E NÃO TEM CONDENAÇÕES, POR ISTO, NÃO TEM PODER DE IMPOR NADA. SE NÃO FOI DADO AMPLA DEFESA DURANTE A CPI NÃO QUER DIZER QUE O MP NÃO POSSA CONHECER OS FATOS ALI NARRADOS.

    SE FOR DO JEITO QUE O PODER JUDICIÁRIO QUER, NINGUÉM MAIS EM CAMBÉ DENUNCIARÁ NADA, POIS AO PROCURAR O PROMOTOR DE JUSTIÇA, ESTE INDAGARÁ O CONTRIBUINTE DA SEGUINTE FORMA: VOCÊ JÁ PROCUROU O DENUNCIADO ANTES DE VIR AQUI DENUNCIAR? VOCÊ JÁ DEU AMPLA DEFESA AO DENUNCIADO? KKK

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.