[jwplayer mediaid=”38385″]

mpNesta terça-feira (5 de agosto), a Promotoria de Justiça de Proteção ao Patrimônio Público de Cambé (Região Norte do Estado) expediu duas recomendações administrativas – uma destinada ao prefeito e outra ao presidente da Câmara de Vereadores do município –, para que sejam interrompidos os repasses de verbas públicas pelo Município à Associação de Proteção à Maternidade e à Infância de Cambé (APMI), entidade que atende mães e filhos com serviços de creche, oficinas pedagógicas, entre outros. Com isso seriam encerrados todos os convênios formalizados. O prazo fixado para o cumprimento das recomendações é de dez dias.

A Promotoria de Justiça argumenta que a manutenção dos repasses tem causado prejuízos aos cofres públicos, pois a verba não deveria ser destinada à contratação de pessoal. Segundo a Promotoria de Justiça, o município deveria abrir concurso público para contratar funcionários capacitados a prestar os serviços oferecidos pela APMI. Também destaca que o problema já foi apontado pelo Tribunal de Contas do Estado, em acórdão do Tribunal Pleno. O órgão entendeu que as transferências em favor da APMI são destinadas, majoritariamente, à contratação de pessoal, descaracterizando o convênio e ferindo o artigo 37, inciso II, da Constituição Federal. Além disso, o TC aponta que as despesas vêm sendo realizadas sem licitação ou o devido processo formal. Em razão disso, o TC já havia determinado que o município encerrasse os repasses à associação, no período de 12 meses, o que não foi cumprido, conforme relata o Ministério Público na comarca.

“(…) embora tenha transcorrido mais de um ano do término do prazo estabelecido no referido acórdão (do TC), o Município de Cambé ainda não deu o seu cumprimento, persistindo na irregularidade em manter o convênio com a APMI, repassando a esta, mensalmente, elevados recursos públicos”, ressalta a promotora de Justiça, Adriana Lino.

Em caso de descumprimento das recomendações, a Promotoria de Justiça poderá ajuizar as ações tanto na esfera cível, por improbidade administrativa, como na criminal.
apmi

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.