Exacerbação de individualidades pode afetar STF
A decisão de Marco Aurélio explicita a total falta de cerimônia com que alguns ministros do Supremo decidem, monocraticamente, questões de enorme repercussão política. Exacerbação de individualidades, em detrimento da colegialidade, pode colocar em risco a autoridade do STF…

Ministro Marco Aurélio decide iniciar impeachment de Temer
O ministro Marco Aurélio Mello, do STF, decidiu que o presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB), deve iniciar processo de impeachment do vice-presidente Michel Temer (PMDB). Segundo ele, o arquivamento do pedido caberia a comissão especial. Temer é acusado de crime de responsabilidade na área fiscal. Ele não comenta. Cunha afirmou que vai recorre…

Sem trama e sem final
O Brasil está quebrado. A volta à realidade será dura, lenta e poderá se estender por muitos anos. É essa a coisa da vida, de todos os dias, a economia…


O Globo

Manchete : Resultado na comissão do impeachment ainda é incerto
Oposição a Dilma, porém, está a apenas três votos de conseguir maioria
Levantamento feito pelo GLOBO mostra que 18 dos 65 integrantes do colegiado se dizem contrários ao afastamento da presidente; parecer do relator será lido hoje e votado na próxima segunda-feira
Levantamento feito pelo GLOBO com todos os 65 integrantes da comissão do impeachment mostra que é incerto o resultado da votação do relatório do deputado Jovair Arantes, que será apresentado hoje e apreciado na próxima segunda-feira. A oposição tem hoje 30 dos 33 votos necessários para a continuidade do processo contra a presidente Dilma. Os que se dizem indecisos são 17. E 18 deputados afirmam que votarão contra o impeachment. O panorama pode mudar, dependendo dos acontecimentos e do troca-troca de cargos por votos. (Págs. 3 e 4)

Maluf, o revoltado
O deputado Maluf se disse revoltado por seu PP negociar votos com o Planalto. (Pág. 4)

Ministro manda acolher processo contra Temer
O ministro do STF Marco Aurélio Mello ordenou que o presidente da Câmara, Eduardo Cunha, dê seguimento ao impeachment contra o vice Michel Temer, por considerar que o arquivamento só poderia ser decidido por uma comissão. A decisão surpreendeu juristas e ministros. Cunha recorrerá. (Págs. 5 e 6)

Advogada faz ataque à ‘cobra’ e causa polêmica (Pág. 8)

Moro mantém Ronan preso e solta Silvinho (Pág. 10)

Na firma de Picciani – Dois fiscais pedem exoneração
Dois auditores da Secretaria de Fazenda que estiveram com o contador de uma cervejaria no escritório do deputado Jorge Picciani, na Barra, pediram exoneração dos cargos. O estado vai investigar os encontros, revelados pelo GLOBO, na firma do presidente da Alerj. Reuniões entre fiscais e fiscalizados são condenadas pela Corregedoria do Fisco. (Pág. 16)

Pezão volta a ser internado no Rio
O governador Pezão voltou a ser internado ontem no Hospital Pró-Cardíaco, onde se trata de câncer linfático. Os médicos informaram que ele tem uma inflamação na área da clavícula onde foi implantado um cateter para a quimioterapia. (Pág.20)

CNPq suspende novas bolsas
Cientistas criticaram e estudantes se mobilizam contra a suspensão de bolsas de pós-graduação no exterior do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq). Governo alega falta de recursos. (Pág. 33)

Privatizações – Novas regras para atrair estrangeiro
O governo tenta atrair investidores estrangeiros para projetos de infraestrutura. O próximo edital de leilão de rodovias permitirá que as empresas tenham qualificação técnica certificada no exterior, e não no Brasil. (Pág. 25)

Colunistas

Merval Pereira – Nova eleição, como prega Marina, seria ruptura institucional (Pág. 4)

Míriam Leitão – Dilma agravará a crise econômica para salvar o mandato (Pág. 26)

Zuenir Ventura – A História se repete após 17 anos, com os papéis trocados (Pág. 23)

Roberto DaMatta – O país do 1º de abril e o labirinto que oculta a verdade (Pág. 23)


O Estado de S. Paulo

Manchete: STF manda Câmara abrir impeachment de Temer; Cunha reage
Deputado diz que ordem é ‘absurda’, invade competência legislativa e vai recorrer
O ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Marco Aurélio Mello determinou ontem que o presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), aceite o pedido de impeachment contra o vice-presidente da República Michel Temer e instale comissão especial para analisar o processo. O argumento é de que o vice cometeu crime de responsabilidade e atentado contra a lei orçamentária ao assinar no ano passado, com o presidente em exercício, quatro decretos que autorizavam abertura de crédito suplementar sem aval do Congresso e em desacordo com a meta fiscal. O caso foi revelado pelo Estado. A decisão vale a partir da publicação, mas Cunha já anunciou que recorrerá. Segundo ele, a decisão é “absurda”, “teratológica” e “invade a competência da Câmara”. Questionado sobre recurso, Marco Aurélio afirmou ser “impensável que não se observe decisão do Supremo” e declarou que, se Cunha descumpri-la, haverá “crime de responsabilidade sujeito a glosa penal”. Com eventual abertura de comissão especial, Temer ficará na mesma condição da presidente Dilma Rousseff. Ele não se manifestou. (Política/ Pág. A4)

Renan defende eleições gerais
O presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), disse ser favorável à realização de eleições neste ano para presidente, governadores e Congresso, como alternativa à crise política. O gesto contraria interesses do vice-presidente Michel Temer. O senador Romero Jucá (RR), que assumiu a presidência do PMDB no lugar de Temer,chamou a ideia de “saída mirabolante”. (Pág. A6)

Dora Kramer
O governo nada tem a comemorar com a decisão de Marco Aurélio Mello. A abertura de processo contra Michel Temer impossibilita o Planalto de sustentar a tese do impeachment ilegal. (Pág. A6)

Placar do Impeachment
O ‘Estado’ passa a publicar diariamente as intenções declaradas de voto dos deputados federais até a votação do processo de impeachment na Câmara, prevista para meados deste mês. Os dados de ontem foram computados até as 21h. (Política/ Págs. A8 e A9)

Reportagem Especial: Da Lava Jato para as offshores
Dois contadores envolvidos na Lava Jato constam na Mossack Fonseca como diretores de empresas ligadas a dono das concessionárias CAOA. (Pág. A12)
STF suspende entrega de pílula do câncer (Metrópole/ Pág. A22)

Prefeitura deixa 156 toneladas de uniformes sem uso
A gestão Fernando Haddad (PT) gastará R$ 15 milhões até o fim do ano para guardar 156,5 toneladas de uniformes escolares herdadas do ex- prefeito Gilberto Kassab (PSD) e não entregues a estudantes. A Prefeitura informou que poderá doar o material. (Metrópole/ Pág. A24)

Celso Ming
Gasolina e populismo
A baixa dos preços dos combustíveis deixaria Dilma de bem com o consumidor, mas derrubaria o setor de etanol e reduziria receita dos Estados. (Economia/ Pág. B2)

Monica de Bolle
Sem trama e sem final
O Brasil está quebrado. A volta à realidade será dura, lenta e poderá se estender por muitos anos. É essa a coisa da vida, de todos os dias, a economia. (Economia/ Pág. B4)

Notas & Informações
Retórica singela
Apesar de competente, defesa de Dilma Rousseff feita por Cardozo foi singela peça de retórica. (Pág. A3)

A crise de humor do brasileiro
O varejo político é o único mercado com alguma animação no Brasil. Os outros vão muito mal. (Pág. A3)


Folha de S. Paulo

Manchete : Pedalada fiscal dispara com Dilma, revelam dados do BC
Uso da prática, que embasa pedido de impeachment da presidente, se intensifica a partir de 2009
Informações do Banco Central dimensionam a explosão, no governo Dilma (PT), das manobras fiscais chamadas de pedaladas, base do pedido de impeachment feito contra a presidente, informa Gustavo Patu. As pedaladas consistem na utilização de recursos de bancos públicos em programas que são de responsabilidade do Tesouro Nacional. Entre 2001 (governo FHC) e 2008 (gestão Lula), o impacto das pedaladas na dívida pública oscilou entre 0,03% e 0,11% do PIB (medida de produção e renda do país). O crescimento é contínuo a partir de 2009, quando o governo Lula lança o PSI (Programa de Sustentação do Investimento) e também o Minha Casa, Minha Vida. O pico de 1% é atingido no segundo mandato de Dilma. Ao rejeitar as contas de 2014 da presidente, o Tribunal de Contas da União considerou ter ocorrido empréstimos dos bancos ao Tesouro, crime previsto na Lei de Responsabilidade fiscal. Segundo o Planalto, que não comentou os dados do BC, essa prática sempre foi aceita regularmente. (Poder a4)

Ministro Marco Aurélio decide iniciar impeachment de Temer
O ministro Marco Aurélio Mello, do STF, decidiu que o presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB), deve iniciar processo de impeachment do vice-presidente Michel Temer (PMDB). Segundo ele, o arquivamento do pedido caberia a comissão especial. Temer é acusado de crime de responsabilidade na área fiscal. Ele não comenta. Cunha afirmou que vai recorrer. (Poder a6)

Análise – Oscar Vilhena
Exacerbação de individualidades pode afetar STF
A decisão de Marco Aurélio explicita a total falta de cerimônia com que alguns ministros do Supremo decidem, monocraticamente, questões de enorme repercussão política. Exacerbação de individualidades, em detrimento da colegialidade, pode colocar em risco a autoridade do STF. (Poder a6)

Sigla de Marina Silva defende novas eleições para presidente
A Rede Sustentabilidade, partido da ex-senadora Marina Silva, lançou campanha pedindo nova eleição presidencial como forma de resolver a crise. Sobre a proposta, a presidente Dilma disse que só a discute se o Congresso abrir mão dos mandatos. O presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), afirmou “ver com bons olhos” a ideia. (Poder a8)
Governo esperará votação de processo na Câmara para mudar ministérios (Poder A8)

Juiz Sergio Moro decreta soltura de ex-secretário do PT
O juiz federal Sergio Moro determinou a soltura do ex-secretário-geral do PT Silvio Pereira, preso temporariamente desde sexta (1º). Ele é acusado pela Lava Jato de receber dinheiro de empreiteiras por motivos ilícitos. Moro também decretou a prisão preventiva do empresário Ronan Pinto. (Poder a9)

Falta preparo contra o surto de gripe, diz ex-diretor do Einstein (Cotidiano B3)

Alvo do ‘Panama Papers’, premiê da Islândia renuncia
O primeiro-ministro islandês, Sigmundur Gunnlaugsson, renunciou ao cargo e tornou- se a primeira vítima da investigação jornalística “Panama Papers”. Documentos vazados de um escritório panamenho vinculam políticos e empresários a contas em paraísos fiscais. (Mundo a11)

Editoriais
Leia “Ruídos preocupantes”, acerca de propostas populistas do governo na economia, e “Estado Islâmico em crise”, sobre enfraquecimento da facção. (Opinião A2)


Edição: Equipe Fenatracoop, Quarta-Feira,  06 de Abril de 2016

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.