Manchete dos Jornais desta quinta-feira, 02 de julho de 2015
Postado por: Equipe Portal Cambé Em 2nd julho 2015

Reprovação de Dilma supera a do governo Sarney
Requião lidera pesquisa para o Senado. Ratinho Jr. está em 2.º, seguido de Osmar Dias (3.º), Gleisi (4.º) e Beto Richa (5.º)

Conta mais cara faz consumidor cortar gasto com energia
O consumo residencial de eletricidade caiu 2,5% em maio, como reflexo do aumento de tarifas. A queda foi puxada pelas regiões Sul e Sudeste, onde o reajuste médio este ano chega a 40%. No Nordeste, com alta de preços de 7%, a demanda das famílias permanece em alta. No geral, a venda de energia caiu 1,5%, em relação a igual mês do ano passado.


O Globo

Manchete : Manobra de Cunha pode parar no Supremo
Depois de rejeitar , Câmara volta a discutir redução da idade penal
Presidente da Casa obtém apoio para votar, mas enfrenta forte reação de deputados contrários à proposta e que ameaçam recorrer ao STF
Menos de 24 horas após a Câmara rejeitar a proposta de redução da maioridade penal de 18 para 16 anos de idade em casos de crimes hediondos e delitos graves, uma manobra do presidente da Casa, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), levou deputados a discutirem no plenário nova versão do projeto, desta vez mais branda, excluindo menores condenados por tráfico e roubo qualificado. A iniciativa de Cunha provocou troca de acusações entre o peemedebista e deputados contrários à proposta, que ameaçam levar o caso ao STF. Em sessão tensa, com pesados ataques a Cunha, eles alegaram que outra proposta sobre o mesmo tema deveria cumprir novamente todas as etapas de tramitação. Na madrugada anterior, a redução em casos de crimes hediondos fora rejeitada apesar de ter obtido 303 votos favoráveis, cinco a menos do que o necessário. (Pág. 3)

Aumento do Judiciário é criticado até no STF
Ministros do STF criticaram a aprovação do reajuste de até 78% para servidores do Judiciário num momento de crise econômica. Para Edson Fachin, a hora é de “contenção” . A presidente Dilma disse que o aumento é “insustentável” e deve vetá-lo . Segundo o governo , os reajustes dados em dez anos superam a inflação. (Pág. 6, Merval Pereira e Míriam Leitão)

Ibope: só 9% aprovam governo
Apenas 9% consideram ótimo ou bom o governo Dilma, segundo pesquisa Ibope encomendada pela CNI. O desempenho só não é pior que o de Sarney em 89. (Pág. 7)

Petrobras quer vender fatia da BR
Petrolífera confirma que estuda abrir o capital da subsidiária na Bolsa, mas afirma que outra opção é buscar sócio estratégico para a empresa. (Pág. 23)

Grécia e UE em duelo retórico
Premier grego divulga carta em que aceita parte das condições dos credores, que rejeitam apelo. À espera do referendo, gregos e líderes europeus trocam acusações. (Pág. 21)

Degelo EUA e Cuba – Reaproximação com ressalvas
Em meio ao anúncio de que reabrirão embaixadas em julho, Cuba e EUA indicaram haver ainda muitas diferenças a superar . (Págs. 29 e 30)

Ilimar Franco
Lewandowski não assumiu
O reajuste dos servidores do Judiciário foi aprovado porque o presidente do STF, Ricardo Lewandowski, não assumiu sua retirada e a reabertura das negociações. O acordo costurado com o presidente do Senado, Renan Calheiros, previa o envio de carta com essa proposta. Mas a leitura pelos senadores foi a de que o texto era dúbio e concluíram que o objetivo era colocar a decisão no colo do Senado e do PMDB. (Pág. 2)

Merval Pereira
Poderes em conflito
Ninguém sabe aonde isso vai dar, mas há um sentimento de regozijo entre os políticos fora do PT com o protagonismo que o Congresso vem assumindo, mesmo que algumas medidas aprovadas possam significar prejuízos ao orçamento público, como o aumento dos servidores do Judiciário. (Pág. 4)

Míriam Leitão
Ameaças do Congresso
É a marcha do país em direção à perda do grau de investimento . Assim caminha o Brasil. A aprovação do aumento para os funcionários do Judiciário se junta à indexação total dos benefícios previdenciários e à adoção de regras mais generosas de aposentadoria. Tudo isso acontece enquanto a dívida do país aumenta e o déficit nominal chega ao espantoso número de 7,9% do PIB. (Pág. 22)

Editoriais
Questão da maioridade penal continua em aberto
Depois de tanto debate e diante das opções existentes no Congresso, é possível reformar o ECA para o Estado coibir a delinquência juvenil de forma consequente. (Pág. 18)

Reaproximação com EUA é oportunidade para o Brasil
Acordos assinados na Casa Branca avançam na área de meio ambiente e sugerem um caminho para diversificar a balança comercial brasileira (Pág. 18)
————————————————————————————

O Estado de S. Paulo

Manchete : Dilma classifica de ‘insustentável’ reajuste do Judiciário
Nelson Barbosa (Planejamento) diz que aumento aprovado pelo Senado será vetado

A presidente Dilma Rousseff chamou ontem de “lamentável” e “insustentável” o projeto que concede reajuste de até 78% a servidores do Judiciário, aprovado na noite de terça-feira pelo Senado, e disse que a medida compromete o ajuste fiscal. O ministro do Planejamento, Nelson Barbosa, informou que o governo vetará a proposta. “Nós achamos lamentável, porque é insustentável em um país como o nosso, em qualquer circunstância, dar níveis de aumento tão elevados”, disse a presidente, em viagem aos EUA. (Política/ Pág. A4)

Senado estende PEC da Bengala
Texto prevê que a idade da aposentadoria obrigatória no funcionalismo passe de 70 para 75 anos para todos os servidores. Tema vai à Câmara. (Pág. A4)

Avaliação positiva da presidente cai para um dígito
A parcela de brasileiros que avaliam a gestão Dilma Rousseff como ruim ou péssima subiu de 64% em março para 68% em junho, segundo pesquisa CNI/Ibope divulgada ontem. A avaliação negativa é a pior da série do Ibope, iniciada há 29 anos. (Política/ Pág. A7)

Governo prevê piora
Apesar do discurso oficial de que o pior já passou, o Palácio do Planalto prevê um cenário ainda mais sombrio para os próximos meses. (Pág. A7)

Petrobras planeja abrir capital da subsidiária
A Petrobras informou ontem que sua diretoria executiva autorizou a elaboração de estudos que busquem estratégicas para a Petrobras Distribuidora (BR). O ativo é o primeiro da lista de desinvestimentos que a estatal pretende fazer até 2018. (Economia/ Pág. B9)

Delator diz que doação fazia parte de ‘lobby’ do PT
O lobista Julio Gerin Camargo confirmou à Justiça o pagamento de propina em contratos que intermediou na Petrobras via diretoria de Serviços, que teria como destino o PT. Ouvido pelo juiz Sergio Moro, o delator disse que fez “doações” a pedido do ex-tesoureiro João Vaccari Neto para “estar bem com o partido”. (Política/ Pág. A5)

Lobista cita propina a Dirceu
Delator da Lava Jato, o lobista Milton Pascowitch disse que José Dirceu sobrou propina da Engevix e usou os valores para tentar reconstruir sua imagem no mesalão. O ex-ministro nega. (Pág. A6)

Senado cria comissão sobre maioridade
O polêmico debate da redução da maioridade penal na Câmara levou o Senado a adiar sua decisão sobre o tema. Uma comissão decidirá o assunto. A avaliação dos senadores é de que não faz sentido aprovar alterações no Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA) sem que a Câmara encerre a discussão. (Metrópole/ Pág. A14)

EUA e Cuba reabrem embaixadas no dia 20
EUA e Cuba encerrarão mais de meio século de rompimento diplomático no dia 20, quando reabrirão embaixadas, respectivamente, em Havana e Washington. Barack Obama anunciou que o secretário de Estado, John Kerry, fará uma viagem oficial à Havana, onde hasteará a bandeira americana. (Internacional/Pág. A9)

Diálogo suspenso na Grécia
Funcionário de banco distribui senha para aposentados sacarem dinheiro em Atenas. Ministros de Finanças da Europa romperam diálogo com a Grécia até o plebiscito sobre a austeridade no domingo. (Economia/Págs. B1, B3 e B4)

José Roberto de Toledo
Só o consumo salva
A popularidade de Dilma Rousseff só atingiu o pré-sal depois que a confiança do consumidor quebrou seu recorde negativo no mês passado. (Política/Pág. A2)

Notas&Informações
A catástrofe já estava aí
Nenhum dos males econômicos vividos hoje é obra do segundo mandato de Dilma Rousseff. (Pág. A3)


Gazeta do Povo

GASTOS PÚBLICOS
Dilma vai vetar reajuste salarial de 55% a 78% para o Poder Judiciário
A presidente Dilma Rousseff disse ontem que vai vetar o reajuste salarial para os servidores do Judiciário. O aumento foi aprovado na noite de terça-feira no Senado. O projeto elevará os gastos públicos em R$ 25,7 bilhões nos próximos quatro anos. O argumento do governo para derrubar a proposta será que o aumento compromete o ajuste fiscal e é socialmente injusto. O ministro do Planejamento, Nelson Barbosa, adiantou que o Planalto tentará negociar outra proposta. No Supremo Tribunal Federal (STF), o ministro Luiz Fachin defendeu cautela neste momento de contenção dos gastos públicos
IBOPE
Reprovação de Dilma supera a do governo Sarney
Requião lidera pesquisa para o Senado. Ratinho Jr. está em 2.º, seguido de Osmar Dias (3.º), Gleisi (4.º) e Beto Richa (5.º)
ALTERNATIVAS
Maioridade penal acirra disputa entre deputados
Diante da reprovação da proposta que reduzia a maioridade penal de 18 anos para 16 anos para crimes graves, o presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha, fez uma manobra ontem e colocou em votação um texto mais brando
PETRÓLEO
Petrobras deve se livrar de exigência mínima no pré-sal
A crise na Petrobras colocou em xeque a exigência de participação mínima de 30% na exploração do pré-sal. Um projeto de autoria do senador José Serra (PSDB-SP) revoga a obrigação da estatal. O assunto é polêmico e coloca especialistas em lados opostos
EMPREENDER
Estudantes da Universidade Positivo criam marca própria de vestuário e fazem laboratório dentro do câmpus
ESTRADAS
Prorrogação de contrato do pedágio será avaliado por grupo de trabalho
IDH
Região de Curitiba cai para quarto lugar no ranking de desenvolvimento humano


Zero Hora

Manchete : Cuba e EUA reabrem embaixadas no dia 20
Os dois países oficializam a retomada das relações diplomáticas após anúncio de reaproximação feito em dezembro, passados mais de 50 anos de hostilidades (Notícias | 16)
Petrobras estuda a venda de postos BR (Notícias | 21 e 25)

Grécia confirma plebiscito domingo
Atenas e credores devem voltar a negociar depois do resultado de consulta sobre medidas de austeridade (Notícias | 20 e 25)

Só 9% aprovam governo Dilma
Avaliação negativa de 68% é a pior de um presidente eleito após a ditadura militar (Notícias | 12)
————————————————————————————

Brasil Econômico

Manchete : Conta mais cara faz consumidor cortar gasto com energia
O consumo residencial de eletricidade caiu 2,5% em maio, como reflexo do aumento de tarifas. A queda foi puxada pelas regiões Sul e Sudeste, onde o reajuste médio este ano chega a 40%. No Nordeste, com alta de preços de 7%, a demanda das famílias permanece em alta. No geral, a venda de energia caiu 1,5%, em relação a igual mês do ano passado. (Pág. 11)

Popularidade de Dilma cai para 1 dígito
Apenas 9% dos eleitores acham que a presidenta Dilma realiza um governo ótimo ou bom. Outros 21% consideram seu governo regular, mostra pesquisa CNI/Ibope. O resultado sinaliza que cerca de 40% dos eleitores de Dilma estão insatisfeitos. (Pág. 4)

Dólar sobe com saída de recursos
A moeda americana fechou ontem cotada a R$ 3,145, uma alta de 1,16%, refletindo o movimento de fuga de capitais. Apenas nos dois últimos meses saíram US$ 11,64 bilhões pela conta financeira da balança comercial. (Pág. 20)

Grécia no sufoco entre o sim e o não
Pensionistas gregos tentam entrar em agência bancária, um dia após o país deixar de pagar uma parcela ao FMI. O primeiro-ministro Alexis Tsipras fez pronunciamento na TV pedindo que a população diga não aos termos do resgate proposto pela UE. (Pág. 23)

Pautas-bomba no Congresso põem em risco o ajuste fiscal
Nelson Barbosa, dos EUA, já adiantou que a presidenta Dilma deverá vetar reajuste de 59,5% aprovado pelo Senado para servidores do Judiciário. Medida custará aos cofres públicos mais de R$ 25 bilhões em quatro anos (Pág. 3)

Marco Aurélio diz que delatores querem ‘salvar a própria pele’
Ministro do STF estranha o número de acusados da Operação Lava Jato que aderiram à delação premiada (Pág. 32)

Olhar do Planalto
JOSÉ NEGREIROS
AUMENTA DESGASTE ENTRE ALIADOS
A derrota sofrida pelo governo, no Senado, com a aprovação de aumento médio de 59,5% para os servidores do judiciário desgastou ainda mais a difícil relação entre o PT e o PMDB no Senado. No partido do governo, reclamava-se que a bancada ficou sozinha na defesa da negociação de proposta alternativa capaz de amortecer o impacto antiajuste fiscal. (…) (Pág. 2)

Ponto de Vista
CARLOS THADEU DE FREITAS
ALÍVIO À VISTA?
É consenso geral que a economia brasileira vive um momento complexo, em que a maioria dos indicadores mais significativos mostram resultados desanimadores. O saldo do PIB do primeiro trimestre e os números mais recentes de diversos setores direcionam as expectativas para uma conseguinte queda da atividade no segundo semestre. (…) (Pág. 7)

O mercado como ele é…
LUIZ SÉRGIO GUIMARÃES
PERSISTE A FUGA DE CAPITAL
O dólar subiu ontem 1,16%, cotado a R$ 3,1450. Passado o vencimento de junho dos contratos de derivativos cambiais na BM&F, o dólar libertou-se das amarras atadas pelos vencedores “vendidos” e pôde refletir a cena externa delicada e a fuga de investidores estrangeiros do Brasil. Persiste vigorosa e perigosa a saída líquida de capitais externos do país. (…) (Pág. 20)
————————————————————————————

Folha de S. Paulo

Manchete : Petrobras admite nova alta da gasolina em 2015
Ademir Bendine afirma que estatal tem independência na política de preços
O presidente da Petrobras, Aldemir Bendine, 51, admite novo reajuste no preço da gasolina ainda em 201 5. “Não dá para garantir que não haverá”, afirma em entrevista a Natuza Nery. O executivo, porém, não vê necessidade de aumento neste momento. Em relação à interferência do Palácio do Planalto contra reajustes nos combustíveis, Bendine diz que a empresa tem independência na sua política de preços e assim será. “Não nos sujeitamos nem a um [mercado] nem a outro [governo].” Criticado pela antecessora Graça Foster por não entender do setor de óleo e gás, o executivo rebate: “E você acha que o problema da Petrobras é de petróleo?”. Ele nega que a geração de caixa da companhia esteja ruim. “Está equilibrada.” No cargo desde fevereiro, o presidente da estatal descarta a venda de ativos do pré-sal e condena mudanças no regime de partilha, em discussão no Senado. Ele defende solução intermediária que preserve o interesse do Estado. (Mercado a13)

Alvo de pressão do PT, Cardozo diz que poderá deixar governo
O ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, confidenciou a amigos que quer deixar o governo Dilma, informam Gabriel Mascarenhas e Andréia Sadi. Remanescente do primeiro mandato da presidente, o petista sofre pressão de correligionários porque expoentes do partido são alvos da Lava Jato — a Polícia Federal, parte da investigação, é subordinada à pasta. (Poder a5)

Planalto vê falha na articulação e vetará reajuste do Judiciário
Após a derrota no Senado com a aprovação do reajuste aos servidores do Judiciário, o Planalto reconheceu “cochilos” na articulação política e “total falta de coordenação”. O presidente da Casa, Renan Calheiros (PMDB), chegou a dizer que adiaria a votação, mas mudou de ideia. Segundo o ministro do Planejamento, Nelson Barbosa, Dilma vetará a proposta. (Poder a4)

Importação cai, e balança fecha o semestre no azul
Após encerrar 2014 com o primeiro deficit em 14 anos, a balança comercial do país teve no primeiro semestre superavit de US$ 2,2 bilhões. Houve forte retração das importações (21 % a menos que no mesmo período do ano passado), resultado da fraca atividade econômica e do dólar em alta. (Mercado a1)

Embaixadas serão reabertas no dia 20 por Castro e Obama
Em processo de retomada das relações diplomáticas, Cuba e EUA reabrirão no dia 20, após 54 anos, as embaixadas em Washington e Havana. Para Barack Obama, é um “passo histórico”. Raúl Castro, ditador cubano, disse estar “motivado”. (Mundo a8)

E-mails de Hillary revelam pedido de ajuda ao Brasil sobre Cuba na OEA (Mundo a9)

Foto-legenda: O piloto sumiu

Na sede do Google, no Vale do Silício (EUA), Dilma Rousseff entra em carro que dispensa motorista; após o passeio, disse: “Acabei de descer do futuro” (Mundo a10)

Foto-legenda : Aperto monetário

Mulher é espremida enquanto espera para entrar em banco em Atenas; medida da Grécia contra a crise financeira que ameaça tirar o país da zona do euro manteve todas as agências fechadas por dois dias —ontem, na reabertura para aposentados, houve filas e empurra-empurra (Mercado a16)

Editoriais
Leia “Justiça além da conta”, a respeito de reajustes salariais no Poder Judiciário, e “No limbo”, acerca de situação de prisioneiros em Guantánamo. (Opinião A2)


Edição: Equipe Fenatracoop, 02 de Julho de 2015, ás 07:14

Compartilhe nossa Matéria