Mais Médicos: Uma receita no centro de polêmica; Dose de remédio indicada a paciente por profissional argentino alimenta críticas a programa federal…-Brasil amplia discussão sobre carnes; Além de questionar China, Japão e África do Sul por barreiras à exportações de carne bovina, o Brasil também vai discutir embargo da Indonésia ao frango no Comitê de Medidas Sanitárias e Fitossanitárias da OMC…- Rastro de destruição nas ruas do País; No Dia do Professor, Black Blocs vandalizam bancos, lojas e restaurantes no Rio, São Paulo e outras capitais…- A voz da oposição; As críticas à presidente Dilma Rousseff tomaram Marina Silva a voz de maior alcance da oposição…

O Globo

Manchete: Dia dos professores: STF suspende corte de ponto e tenta conciliação

Protesto pacífico de profissionais da educação é de novo tomado por vândalos.
Atos violentos dos black blocs no entorno da Cinelândia tiveram até carro da PM incendiado, e pelo menos 45 baderneiros foram detidos. Em SP, 56 foram levados para delegacias após quebra-quebra na região central.
No Dia dos Professores, a categoria fez manifestação pacífica nas ruas do Centro do Rio, tomadas depois por vândalos, que voltaram a depredar prédios públicos e privados. Um carro da PM foi queimado e um ônibus da corporação, depredado. À noite, o ministro Luiz Fux, do Supremo Tribunal Federal, suspendeu a decisão judicial que permitia o corte do ponto dos professores estaduais grevistas. Fux convocou o governador Sérgio Cabral e o prefeito Eduardo Paes para audiência de conciliação com sindicalistas no próximo dia 22. A decisão do STF beneficia professores da rede estadual, que entraram com a ação, e não atinge os do município, em greve há 70 dias. Mas Fux tenta acordo para as duas categorias. No Rio, em reunião com sindicalistas, a PM comunicou que não queria confronto com os profissionais, mas não toleraria vandalismo. Professores tentaram expulsar black blocs, em vão. Em SP, o dia de confrontos entre vândalos e PMs teve 56 presos. (Págs. 1 e 8,10 e 11)

Risco de calote: Agência ameaça rebaixar EUA

Diante do impasse entre o Congresso e a Casa Branca sobre acordo para elevar o endividamento dos EUA, a agência de classificação de risco Fitch ameaçou rebaixar a nota do país, atualmente na categoria máxima AAA. O acordo precisa ser fechado até a meia-noite de hoje, sob pena de o governo Obama não ter recursos para pagar seus compromissos, num inédito calote. À agência alerta que as negociações emperradas podem “corroer a confiança no dólar como principal moeda global, ao lançar dúvidas sobre o crédito e a fé plena nos EUA (como devedor)”. (Págs. 1 e 23)

Campanha na rua: Dilma e Marina concentram ataques

Sob ataque de Marina Silva, a presidente Dilma Rousseff negou ontem que seu governo tenha abandonado o controle fiscal e da inflação, além do câmbio flutuante. Já a ex-senadora reforçou as críticas, dizendo que Dilma convive com chantagem do Congresso. (Págs. 1 e 6 e 7)

Colunistas

Elio Gaspari
A escolinha da doutora Dilma e o samba de Ismael Silva. (Págs. 1 e 20)
Merval Pereira
Dilma escolheu Marina como adversária a ser batida. (Págs. 1 e 4)
Míriam Leitão
A presidente se expõe mais e comete deslizes. (Págs. 1 e 24)

Justiça que tarda: Caso do mensalão mineiro se arrasta

Ninguém foi julgado pelo valerioduto tucano em Minas, e há risco de prescrição. A taxa de processos parados na Justiça brasileira é de 70%. (Págs. 1 e 3)

Supersalários: Senado volta a cobrar devolução

O presidente do Senado, Renan Calheiros, recuou e mandou descontar o que foi pago a mais. A Câmara também cortará os supersalários. (Págs. 1 e 6)

Caso Amarildo: Corpo teria sido levado por PMs

Testemunha afirma que viu PMs da UPP da Rocinha levarem corpo de Amarildo de Souza em capa preta de motocicleta. (Págs. 1 e 13)

Cerimônia do adeus: Funeral de nazista é cancelado (Págs. 1 e 29)

————————————————————————————

O Estado de S. Paulo

Manchete: Atos de professores acabam em violência no Rio e em SP

Vândalos quebram lojas na capital paulista; black blocs cariocas tentam ato pacífico, mas grupo ‘racha’.
Manifestantes e PMs entraram em confronto mais uma vez no Rio e em São Paulo. Protestos organizados por estudantes e profissionais da educação, no Dia do Professor, terminaram em confusão e vandalismo. No Rio, houve destruição na Cinelândia. Em São Paulo, a Marginal do Pinheiros foi palco do conflito entre PMs e manifestantes. Uma loja de móveis foi invadida na Avenida Eusébio Matoso. Até as 21h, o saldo era de 56 detidos. O conflito no Rio começou na Avenida Rio Branco, depois que a manifestação dos professores – em greve desde 8 de agosto – já havia se dispersado. Um grupo de black blocs tentou fazer manifestação em paz mas, ao final, o grupo ‘rachou’ e houve pancadaria. Um ônibus da PM foi depredado e um restaurante e uma agência bancária foram incendiados com coquetéis molotov. (Págs. 1 e metrópole A18)

Sem-teto atacam Câmara

Um grupo de 400 integrantes do Movimento dos Trabalhadores Sem Teto (MTST) tentou invadir ontem a Câmara Municipal de SP. (Págs. 1 e A18)

Agência de rating ameaça rebaixar nota dos EUA

a agência Fitch Ranngs anunciou que poderá reduzira nota da dívida pública dos EUA em razão do impasse político que impede a elevação do teto de endividamento do país a tempo de afastar o risco de default a partir de amanhã. Acordo negociado entre republicanos e democratas anteontem para colocar fim à crise foi ignorado por republicanos na Câmara. (Págs. 1 e economia B1)

Dilma responde a Marina que tripé econômico ainda vale

A presidente Dilma anunciou investimentos do PAC em mobilidade urbana, em resposta às críticas da ex-ministra Marina Silva de que seu governo foi negligente com o tripé econômico formado por geração de superávits primários nas contas públicas, regime de câmbio flutuante e metas para a inflação. Dilma declarou que o tripé econômico nunca foi abandonado. (Págs. 1 e política A8)

Inclusão de Lula

Para apoiar a reeleição de Dilma, aliados exigem que a agenda de Lula esteja atrelada aos acordos do PT. (Págs. 1 e A4)

Tenente da PM é preso por servir ao PCC

Com base em escutas telefônicas feitas pelo Ministério Público Estadual, o Comando da PM determinou a prisão do primeiro-tenente Guilherme William Pacheco da Silva. Ele é acusado de transportar drogas e dar segurança a membros do PCC, informa Marcelo Godoy. Além do tenente do 16.0 Batalhão, outros PMs são investigados pela Corregedoria. (Págs. 1 e metrópole A19)

Fome faz Síria liberar carne de cão

Decreto religioso emitido por clérigos islâmicos sírios permite o consumo de carne de cães, gatos e burros aos muçulmanos cercados pelos combates. (Págs. 1 e internacional A11)

Irã propõe acordo sobre questão nuclear (Págs. 1 e internacional A12)

Alstom fez depósito em conta de ex-CPTM (Págs. 1 e política A10)

Celso Ming: Desempenho desigual

O consumo teve um belo desempenho em agosto, para ser comemorado com foguetório, mas a produção industrial se arrasta, 4,6% em 12 meses. (Págs. 1 e economia B2)

Notas & Informações: A voz da oposição

As críticas à presidente Dilma Rousseff tomaram Marina Silva a voz de maior alcance da oposição. (Págs. 1 e A3)

————————————————————————————

Correio Braziliense

Manchete: Noite de confusão no DF, Rio e São Paulo

No Dia do Professor, houve atos de apoio à categoria e repúdio a governantes em 15 capitais. Em Brasília, passeata organizada por 80 estudantes à noite, na Esplanada, foi acompanhada de perto por 180 militares e resultou em sete pessoas presas por desacato. No Rio de janeiro, 10 mil manifestantes marcharam pelo centro da cidade. Mais unia vez, tudo transcorreu em paz até arruaceiros mascarados partirem, para o enfrentamento com forças de segurança. Eles atacaram PMs com paus, pedras, coquetéis mólotovs e incendiaram um carro da polícia. Na capital paulista, mais violência: protestos de sem-teto culminou em enfrentamento com policiais e quebra-quebra nas ruas da cidade. (Págs. 1 e 2)

PF apura fraude em assinaturas na criação de partido

Mais de 20 pessoas já foram ouvidas. Em depoimento, servidores do Legislativo negam terem assinado ficha de apoio apresentada à Justiça Eleitoral pelo Solidariedade. Muitos se surpreenderam com a semelhança entre suas firmas originais e as falsificadas. (Págs. 1 e 4)

Dilma reage a críticas feitas por Marina

Um dia após a ex-ministra dizer que marca da presidente é o retrocesso na economia, Dilma afirma que crescimento não é apenas PIB. O Brasil pode ser rebaixado por maquiar contas. (Págs. 1 e 3, 8, 9 e visão do correio, 12)

Justiça conclui apenas30 de cada 100 ações

Levantamento do CNJ mostra que é dramática a situação de quem busca soluções no Judiciário brasileiro. Só em 2012, tramitaram 92,2 milhões de processos em todas as instâncias. (Págs. 1 e 6 e 23)

Impasse põe EUA a 24 horas de calote

Enquanto governo e oposição não chegam a acordo para que os Estados Unidos possam pagar dívidas, a agência Fitch ameaça rebaixar a nota soberana do país, hoje no máximo: AAA. (Págs. 1 e 10)

————————————————————————————

Valor Econômico

Manchete: Pré-sal exige estrutura de portos que o país não tem

Os portos do país serão insuficientes para atender os fornecedores das companhias de petróleo com o crescimento da produção no pré-sal. Só o campo de Libra, o primeiro a ser leiloado, na segunda-feira, no regime de partilha de produção, deverá requerer entre 12 e 15 plataformas de produção. Cada uma é atendida por quatro barcos de apoio marítimo que transportam insumos e mantimentos. Assim, Libra deverá demandar mais 48 embarcações que vão se juntar à frota de apoio marítimo hoje em operação, formada por 453 barcos.
Estima-se, com base em números da Petrobras, que até o fim da década essa frota possa chegar a 750 embarcações. Mais barcos exigem mais portos. Há um número considerável de projetos para construir terminais portuários privativos especializados em serviços para a indústria de petróleo e gás. Esses projetos se estendem de Vitória, no Espírito Santo, até Angra dos Reis, no sul fluminense. E incluem empresas como Bram Offshore, LLX, BR Offshore, DTA e Technip. Boa parte deles está focado em atender as demandas futuras do pré-sal nas bacias de Campos e de Santos. (Págs. 1 e A4)

Mais dez anos de expansão para o campo

O ritmo de crescimento da produção e exportação de alimentos brasileiros vai diminuir nos próximos dez anos, mas ainda será mais acelerado que a média mundial em frentes importantes como grãos e carnes. No caso da soja, principal produto agrícola do país, a expansão de produção na década será de 3,9% ao ano, menor que os 5% da década passada, mas acima da expansão mundial prevista, de 2,4% ao ano. Projeções do “Outlook Fiesp 2023” indicam que a demanda externa deverá puxar a produção nacional de algodão, soja, celulose e açúcar. O mercado doméstico será o vetor de crescimento da produção de arroz, trigo, milho, café, lácteos, ovos, etanol e carnes. (Págs. 1 e B12)

Investimentos dos ricos crescem

O crescimento modesto da economia brasileira e a expectativa de anos sem grande brilho pela frente estão desacelerando o segmento do mercado financeiro voltado para a gestão de recursos das famílias e pessoas mais ricas do país. O valor dos ativos financeiros sob administração nesse nicho cresceu apenas 1% até junho. Nos últimos três anos, o setor vinha crescendo 22%, em média.
A pisada no freio decorre de vários fatores, como a redução de negócios que resultam em aumento de dinheiro nas mãos dos investidores — como a venda de participação em empresas. Quando o vendedor é uma pessoa física, os recursos provenientes da operação vão para a área de “private”, que faz a assessoria para investir a bolada. (Págs. 1 e D1)

OGX troca direção para atrair investidor

A petroleira OGX está prestes a obter entre US$ 150 milhões e US$200 milhões com novos investidores. Os recursos devem ser suficientes para a companhia terminar os campos de Tubarão Martelo e BS-4, adquirido à Petrobras.
Como parte da negociação, a empresa trocou sua diretoria. Ricardo Knoepfelmacher, sócio-fundador da Angra Partners, assumirá — na prática — o comando. A consultoria, especializada em reestruturações, deixa a holding EBX e concentra seus esforços na OGX, a principal fonte de problemas do grupo. A saída de Luiz Eduardo Carneiro da presidência foi confirmada ontem à noite. (Págs. 1 e B3)

Empresa vai apurar taxa de inflação em tempo real

O mundo dos dados econômicos ruma para uma fase nova. Empresas privadas implantam tecnologias para mudar a forma — que já tem meio século — como monitoraram as variações na economia global com indicadores constantemente atualizados.
A mais recente no setor, a Premise, é a primeira a criar dados da inflação em tempo real, recorrendo a centenas de pessoas no mundo que diariamente tiram fotos de prateleiras de lojas e carrinhos de supermercados para acompanhar os preços. A nova empresa, com apoio do Google Ventures, será apresen- -tada hoje. Ela pôs em campo 700 funcionários com smartphones, em 25 cidades, para fotografar produtos e checar a mudança diária dos preços. (Págs. 1 e A13)

Varejo e indústria menos distantes

Com o menor crescimento do varejo e a retomada, ainda que leve, da expansão da indústria, o descompasso entre esses dois setores da economia foi reduzido, em agosto, ao menor nível em 29 meses.
Após oito meses consecutivos de desaceleração, o aumento nas vendas do varejo ampliado — que inclui automóveis e materiais de construção — foi reduzido a 4,4% nos 12 meses encerrados em agosto. No mesmo período, a indústria de transformação conseguiu reduzir suas perdas e registrava alta de 0,9% na produção. (Págs. 1 e A3)

Reservatório do NE no pior nível em uma década

O Operador Nacional do Sistema Elétrico (ONS) reduziu novamente a previsão do nível de armazenamento de água nos reservatórios do Nordeste no fim de outubro, para 25,1%. A previsão anterior para o fim do mês era de 26,8%, já muito abaixo dos 33,9% observados em igual período do ano passado. A tendência é que a região feche outubro com o pior nível para o mês nos últimos dez anos.
Com isso, especialistas preveem que mais térmicas terão de ser acionadas para garantir energia à região. A situação no país só não é mais difícil porque o nível dos reservatórios no Sudeste e Centro-Oeste, que detêm cerca de 70% da capacidade do país, está acima do registrado há um ano. Hoje, esses reservatórios estão com 47,7% da capacidade, que era de 42,8% em 2012. (Págs. 1 e A16)

Copel prepara reorganização

A Copel, estatal de energia controlada pelo governo paranaense, pretende melhorar a gestão com a reestruturação da companhia, que incluirá a criação de subsidiárias e corte de custos. (Págs. 1 e B2)

Aposta em PPPs

A Odebrecht Properties estreia nas parcerias público-privadas com a construção e manutenção de 37 escolas licitadas pela Prefeitura de Belo Horizonte. A empresa também já tem projetos para apresentar aos governos de Pernambuco e Espírito Santo, diz Christini Kubo. (Págs. 1 e B4)

Banda larga ‘a carvão’

A velocidade média de acesso à internet por rede fixa no país aumentou de 2,1 para 2,4 Mbps desde o ano passado. Apesar da melhora, o Brasil caiu para a 80º posição, entre 242 países, no ranking das conexões mais velozes. (Págs. 1 e B7)

Brasil amplia discussão sobre carnes

Além de questionar China, Japão e África do Sul por barreiras à exportações de carne bovina, o Brasil também vai discutir embargo da Indonésia ao frango no Comitê de Medidas Sanitárias e Fitossanitárias da OMC. (Págs. 1 e B11)

Mais um recorde no campo

O Valor Bruto da Produção agropecuária no país deverá somar R$ 416,9 bilhões em 2013.0 montante é 1,2% superior ao estimado em setembro e, se confirmado, será 9,6% maior que o de 2012, um novo recorde. (Págs. 1 e B12)

Debêntures eólicas

Principal assessor financeiro para projetos eólicos na Europa, o Santander prepara as primeiras captações de empreendimentos do setor no Brasil, por meio de debêntures de infraestrutura, que gozam de incentivos fiscais. (Págs. 1 e Cl)

Intercâmbio técnico

Pesquisa mostra que 35% das expatriações feitas por empresas no Brasil envolvem profissionais de perfil técnico, ante 12% de presidentes e diretores. O maior percentual está entre executivos com funções gerenciais. (Págs. 1 e D3)

Cancelamento de crédito tributário

Contribuintes obtêm, Justiça e na esfera administrativa, cancelamento de autos de infração contra créditos de ICMS obtidos em compras de fornecedores que, meses ou até anos depois das operações, tiveram a inscrição estadual cassada. (Págs. 1 e El)

Ideias

Cristiano Romero
Brasil tem um regime de metas institucionalmente sofisticado, mas que precisa avançar para superar alguns desafios. (Págs. 1 e A2)
Pedro Ferreira e Renato Fragelli
O rebaixamento da classificação de risco brasileira, com a subsequente elevação dos juros, é agora questão de tempo. (Págs. 1 e A15)

Sem agricultura, Argentina ameaça travar acordo na OMC, em Bali (Págs. 1 e A5)

————————————————————————————

Estado de Minas

Manchete: Como funcionará o BRT metropolitano

Primeiros ônibus do novo sistema na Grande BH devem circular até a Copa do Mundo Os coletivos vermelhos que ligam BH a cidades vizinhas serão substituídos por veículos verde e prata (abaixo) do sistema rápido por ônibus (BRT) metropolitano, que se chamará Move. Serão 19 trajetos principais, com desdobramento em dezenas de linhas, transportando 240 mil passageiros/dia. Os primeiros devem entrar em funcionamento em junho de 2014, quatro meses depois do BRT da capital.
A frota metropolitana é estimada em 310 coletivos (172 articulados com capacidade para 144 passageiros e 138 padron, para 110). A promessa é reduzir o tempo médio das viagens em 30% e diminuir em 90% o número de ônibus trafegando no Hipercentro, que hoje são 500. Serão construídos 13 terminais, quatro deles em Vespasiano, Ribeirão das Neves, Santa Luzia e Região Hospitalar de Belo Horizonte.
Parte da nova frota da capital não terá ar condicionado e câmbio automático como prometido. (Págs. 1 e 17)

Marajás terão ressarcir o Senado

Os 464 servidores do Senado que ganharam acima do teto de R$ 28 mil nos últimos cinco anos terão de devolver 10% dos vencimentos até atingir os valores recebidos irregularmente. A determinação é do presidente da Casa, Renan Calheiros, que recuou depois de ter dito que esperaria o julgamento de um recurso no Tribunal de Contas da União contra o ressarcimento.
A Câmara confirmou o corte de 1.371 supersalários de servidores ativos e inativos, que garante economia de R$ 80,4 milhões por ano, e reduziu R$ 300 milhões no orçamento de 2014. (Págs. 1 e 3)

Centro de BH: Cai esquema de sonegação com hotéis

Operação do MP, Polícia Civil e Receita Municipal desmontou um esquema de sonegação armado por um dos proprietários do Minas Sol Hotel, no Centro de BH. Ele é acusado de registrar três hotéis fantasmas no mesmo endereço, para os quais direcionava o faturamento do Minas Sol, sem pagar impostos, num rombo de R$7,5 milhões. (Págs. 1 e 10)

Dia do professor: Confronto e vandalismo em protestos do Rio e SP (Págs. 1 e 7)

————————————————————————————

Jornal do Commercio

Manchete: Fazendeiro é acusado de mandar matar promotor

Polícia acredita que Thiago Soares, morto a tiros em Itaíba, teria usado sua influência para ajudar a noiva a comprar terras em Águas Belas. José Maria Rosendo Barbosa, suposto prejudicado, está foragido. Um cunhado dele foi detido. (Págs. 1 e cidades 1 a 3)

Gastos no Judiciário crescem, mas número de julgamentos, não (Págs. 1 e 7)

Fábrica de pás eólicas instalada em Suape

LM Wind Power do Brasil, um investimento de R$ 100 milhões, consolida o Estado nesse setor. (Págs. 1 e economia 4)

Rastro de destruição nas ruas do País

No Dia do Professor, Black Blocs vandalizam bancos, lojas e restaurantes no Rio, São Paulo e outras capitais. (Págs. 1 e 8)

————————————————————————————

Zero Hora

Manchete: Nas alturas: Copa deixará voos 6 vezes mais caros na Capital

Entre maio e junho de 2014, valor das passagens varia até 577%. Empresas atribuem alta à maior procura. (Págs. 1 e 24 e 25)

Os EUA quase sem teto

Impasse entre democratas e republicanos no Capitólio mantém suspense sobre dívida e calote volta a assombrar. (Págs. 1 e 29)

Código Penal: Novas regras para tratar antigos tabus

Temas polêmicos podem ficar de fora com emendas que senadores apresentarão até sexta-feira. (Págs. 1 e 32)

Mais Médicos: Uma receita no centro de polêmica

Dose de remédio indicada a paciente por profissional argentino alimenta críticas a programa federal. (Págs. 1 e 35)

Alívio futuro: Projeto pode frear dívida do RS com a União

Câmara deve votar hoje proposta que reduz juros e muda índice de correção do saldo devedor. (Págs. 1 e 8)

Briga diplomática: Ninguém quer corpo de ex-oficial nazista

Itália, Argentina e Alemanha se recusam a sepultar alemão morto aos cem anos. (Págs. 1 e 30)

————————————————————————————

Brasil Econômico

Manchete: ‘O atraso nas concessões foi a pedido do mercado’

Em defesa do governo às críticas ao programa de infraestrutura, Gleisi Hoffmann, ministra-chefe da Casa Civil, garante que a execução das licitações foi retardada a pedido do próprio mercado, para resolver dúvidas e divergências em relação ao modelo proposto.
Ela nega que as adequações signifiquem mudanças na regra do jogo e não considera a falha na venda de BR-262 um fracasso.
“Foi uma opção das empresas, que avaliaram qual rodovia traria mais retorno”. Gleisi não descarta sua candidatura ao governo do Paraná em 2014, mas evita a discussão eleitoral: “É prematura”. Para a ministra, a aliança da ex-senadora Marina Silva com o PSB foi uma ação política de sucesso. “Daí a se converter numa ação eleitoral de sucesso, há uma grande caminhada”. (Págs. 1 e P4 a 7)

OGX: Eike troca de presidente em meio à crise

Após alta de 47% em bolsa, a petroleira de Eike Batista anunciou ontem a saída de Luiz Carneiro, que conduzia negociação com os credores da empresa. (Págs. 1 e P13)

Estratégia: L’Oréal compra Body Store

A francesa, que já é dona da inglesa Body Shop, adquiriu 51% da empresa brasileira, fundada pelo gaúcho Tobias Chanan. Ele permanecerá como CEO da rede, que tem 100 lojas no Brasil. (Págs. 1e P15)

Varejo: Nordeste supera média do país

Pesquisa Mensal do Comércio revela que a região puxou o varejo em agosto, sob o efeito de renda, programas sociais e mercado de trabalho aquecido. (Págs. 1 e P9)

Automania: Novas baterias de carros elétricos têm até 400 quilômetros de autonomia. (Págs. 1 e P19)

Debêntures: Após recorde de emissão em 2013, captações recuaram para R$ 44 bilhões. (Págs. 1 e P20)

MPE: Grandes bancos aumentam reforços para empréstimos a micro e pequenas. (Págs. 1 e P22)

Ponto final: Críticas e ataques mostram, como dizem os franceses, que a direita está assanhada. (Págs. 1 e P32)

Clipping Radiobrás

Edição: Equipe Fenatracoop

Portal Cambé, site de informações e serviços de Cambé – PR.

Responda

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.