Supremo tenta concluir mensalão esta semana; De volta após internação, o ministro do STF Celso de Mello deve desempatar nesta semana o julgamento do mensalão e decidir sobre perda de mandato dos três deputados condenados no processo… – Massa de renda do Bolsa Família sobe mais; A renda gerada pelo valor médio dos benefícios pagos aos atendidos, multiplicada pela quantidade de bolsas, alcançou R$ 17,36 bilhões no ano passado, o que representa avanço médio anual de 10,2% em termos reais nos últimos cinco anos, acima dos 6,2% registrados pela massa de renda previdenciária e do crescimento de 5,8% da massa do trabalho…

O Globo

Manchete: Às escuras – Apagões são indício de falta de manutenção

Blecaute afetou seis estados

Falha em usina de Furnas provocou corte de energia por cerca de meia hora. Especialistas veem falta de investimentos em manutenção

No sexto apagão desde que a presidente Dilma Rousseff anunciou um pacote de medidas para reduzir em cerca de 20% a tarifa de energia residencial, uma falha numa usina de Furnas em Goiás provocou corte de luz em municípios de seis estados do país na noite de sábado. Só em Rio e São Paulo, 2,7 milhões de residências ficaram às escuras por cerca de meia hora. Especialistas acreditam que os blecautes recorrentes mostram falhas na manutenção do sistema e temem que o pacote do governo para reduzir tarifas, ao diminuir receita das empresas, afete futuros investimentos. (Págs. 1 e 23)

Fidel Castro quer disputar eleições (Págs. 1 e 31)

Lei de Acesso não pegou fora do Executivo federal

Em vigor há sete meses, depois de sancionada pela presidente Dilma há um ano, a Lei de Acesso à Informação ainda não emplacou fora do Executivo federal. Em 15 estados, ela sequer foi regulamentada, e nem o Supremo Tribunal Federal se adaptou à nova legislação. Com o baixo alcance da lei, os brasileiros ainda pouco a conhecem. Mais de 50% dos pedidos de informação para o governo federal se concentram apenas em três estados e no Distrito Federal. Câmara e Senado buscam inibir as consultas ao revelar aos servidores quem acessou seus dados. Para especialistas, com tantos entraves, a principal legislação de transparência do país deve levar anos para sair do papel. (Págs. 1 e 3)

Paes é criticado por admitir agora píer em Y

Arquitetos e urbanistas criticam o prefeito Eduardo Paes por negociar com Docas a construção do píer em Y em troca da abertura de dois armazéns no Porto. Segundo eles, ao mudar de posição e admitir um projeto contraditório com a revitalização da área, Paes demonstra não priorizar os interesses da cidade. (Págs. 1 e 13)

————————————————————————————

O Estado de S. Paulo

Manchete: Chávez viola lei e convoca eleitores durante votação

Mensagem de presidente da Venezuela é lida de Cuba antes do fechamento das urnas, o que é proibido

Uma mensagem do presidente da Venezuela, Hugo Chávez, convocando os venezuelanos, especialmente “os patriotas”, a votar foi lida ontem em rede nacional, uma hora e meia antes do fechamento das urnas. O chamamento para um candidato durante o sufrágio é proibido no país. Uma hora antes de a mensagem de Chávez ser divulgada, o Conselho Nacional Eleitoral (CNE) determinou que o vice-presidente, Nicolás Maduro, interrompesse uma coletiva em que falava das conquistas da revolução e da importância do voto para mantê-las. “isso é um chamado a inclinar o voto por uma opção política, o que é uma violação da lei eleitoral”, afirmou o presidente do CNE, Vicente Díaz, após determinar o fim do ato. O fechamento de toda a fronteira terrestre 72 horas antes da votação, ordenado por Caracas impediu que milhares de venezuelanos votassem. A providência costuma ser tomada 24 horas antes. (Págs. 1 e Internacional A12)

‘Dilma terá 90 dias decisivos’, diz Eduardo Campos

O governador de Pernambuco, Eduardo Campos disse, em entrevista a Sonia Racy e Gabriel Manzano, que “os 90 dias iniciais de 2013 serão decisivos para o governo Dilma. Se ela ganhar 2013, 2014 já começa praticamente resolvido”. Para ele, o consumo vai perder importância e a presidente precisa conquistar o empresariado para um projeto de crescimento. (Págs. 1 e Direto da Fonte, D2)

CUT e Força se queixam de diálogo com Dilma

CUT e Força Sindical prometem endurecer o discurso diante da falta de diálogo com Dilma Rousseff. Segundo sindicalistas, o governo da presidente “só atende às reivindicações dos empresários”. (Págs. 1 e Economia B1)

A corrida pelo etanol 2.0

O Brasil é um dos países mais cobiçados na produção industrial de biocombustível feito de resíduos de cana-de-açúcar. (Págs. 1 e Negócios)

Terminal 4 de Cumbica usa só 17% da capacidade

Inaugurado há 10 meses ao custo de R$ 85,6 milhões e projetado para acolher 5,5 milhões de passageiros por ano, o Terminal 4 de Cumbica, em Guarulhos, recebe hoje apenas 17% de sua capacidade. (Págs. 1 e Cidades C1)

Supremo tenta concluir mensalão esta semana

De volta após internação, o ministro do STF Celso de Mello deve desempatar nesta semana o julgamento do mensalão e decidir sobre perda de mandato dos três deputados condenados no processo. (Págs. 1 e Nacional A4)

José Roberto Toledo

Viés, cada um tem o seu

Quando há reacomodação traumática do dinheiro, a política é canal de desafogo. Diminuem consensos, aumentam conflitos. É o cenário para 2014. (Págs. 1 e Nacional A6)

José Goldemberg

Crise de energia e suas causas

Os três pilares da política energética – eletricidade, petróleo e etanol – estão em crise, devido a medidas equivocadas adotadas pelo governo. (Págs. 1 e Espaço Aberto A2)

Notas & Informações

Mais dólares no mercado

Grandes emissões envolvem risco de mais problemas para indústrias de economias emergentes. (Págs. 1 e A3)

————————————————————————————

Correio Braziliense

Manchete: Campanha antiarmas pressiona Obama

Prefeito de Nova York e senadora democrata exigem maior rigor na venda de armamentos. Obama visita familiares das vítimas de atentado

Dois dias após o massacre na Escola Primária Sandy Hook, com 20 crianças e seis adultos assassinados, aumenta a pressão sobre Barack Obama para liderar uma mobilização contra armas nos EUA. Em visita à cidade de Newtown, o presidente manifestou solidariedade às famílias e citou uma a uma as vítimas do atentado. Obama disse que o país “não pode mais tolerar” tragédias desse porte e prometeu, sem detalhar, ações concretas. (Págs. 1, 12 e 13)

Dilma inaugura no Ceará o primeiro estádio da Copa

Acompanhada dos governadores Cid Gomes e Agnelo Queiroz, presidente exalta a capacidade do país em promover grandes eventos: “O Brasil é capaz de ganhar dentro e fora de campo.” (Págs. 1 e 3)

Câmara pagará R$ 10 milhões se não cassar

Caso o Legislativo descumpra uma eventual decisão do STF contra os deputados envolvidos no mensalão, próximo presidente da Casa poderá arcar com multa e perder o cargo público. (Págs. 1 e 2)

A desumana punição aos loucos infratores

Um em cada quatro internos de manicômios judiciários deveria estar longe do confinamento. Em série de reportagens, Renata Mariz conta a agonia perpétua dos condenados que perderam vínculos sociais e familiares. (Págs. 1 e 6)

Exploração

No DF, a mistura de interesses políticos e o uso do solo fazem com que um sepultamento simples custe até R$ 2 mil. (Págs. 1 e 19)

Natal caro

Os preços da cesta natalina estão acima da inflação medida pelo IPCA. A maior pressão vem dos alimentos e das bebidas. (Págs. 1 e 9)

————————————————————————————

Valor Econômico

Manchete: Regime especial de licitação já domina compras públicas

Criado para ser uma exceção destinada a acelerar as obras da Copa de 2014 e da Olimpíada de 2016, o Regime Diferenciado de Contratação (RDC) tornou-se a regra nas principais compras públicas federais e seu uso crescente coloca em xeque o futuro da Lei de Licitações.

Desde julho, o novo regime passou a englobar os empreendimentos do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC). Em outubro, foi estendido para a área de educação e, neste mês, o Congresso aprovou sua aplicação às compras da saúde. Levantamento feito pelo Valor aponta que os orçamentos planejados para os próximos anos pelo PAC, Copa do Mundo e Olimpíada, além do que está previsto em 2013 para saúde e educação, somam R$ 700 bilhões. (Págs. 1 e A6)

BC amplia o foco da fiscalização

Depois de dar como encerrada a temporada de “faxina” no sistema financeiro, o Banco Central passará a monitorar a conduta das instituições financeiras para além dos temas de liquidez e solvência. No radar da autoridade monetária está o comportamento dos bancos em relação a assuntos como tarifas, concorrência e até correspondentes bancários. A partir de 2013, a diretoria de fiscalização, chefiada por Anthero de Moraes Meirelles, contará com uma equipe de 50 pessoas cuja função será a chamada “supervisão de conduta”, ou seja, verificar se as instituições estão seguindo as regras existentes para uma série de assuntos, que vão da prevenção à lavagem de dinheiro ao microcrédito. (Págs. 1 e C1)

Vale mantém ‘austeridade’ em 2013

A poucos dias do fim do ano, Murilo Ferreira, presidente da Vale, disse ao Valor esperar um 2013 menos volátil para as commodities minerais e metálicas, com preços do minério de ferro entre US$ 110 a US$ 140 a tonelada, num contexto de crescimento mais vigoroso da China. Apesar do cenário “mais benigno”, ele não vê razão para a Vale abandonar sua atual política de “austeridade”.

Ferreira explica sua postura: “O superciclo (de commodities com preços muito elevados) acabou e nossa filosofia é que não vamos gerar mais excedentes financeiros tão generosos em futuro próximo”. A empresa vai se desfazer de mais ativos não estratégicos, sendo que nas próximas semanas deve anunciar dois negócios na área de óleo e gás. (Págs. 1 e B1)

Massa de renda do Bolsa Família sobe mais

O mercado de trabalho evoluiu de forma expressiva entre 2006 e 2011, com aumento da ocupação, maior índice de formalização e ganhos acima da inflação nos rendimentos, mas a massa de renda que cresceu com mais fôlego no período foi a gerada pelo Bolsa Família. Essa dinâmica se manteve semelhante em 2012, mas deve mudar nos próximos anos, reduzindo o ímpeto de consumo nas regiões mais pobres do país.

A renda gerada pelo valor médio dos benefícios pagos aos atendidos, multiplicada pela quantidade de bolsas, alcançou R$ 17,36 bilhões no ano passado, o que representa avanço médio anual de 10,2% em termos reais nos últimos cinco anos, acima dos 6,2% registrados pela massa de renda previdenciária e do crescimento de 5,8% da massa do trabalho. Os cálculos são da Tendências Consultoria, com base em dados oficiais. (Págs. 1 e A2)

A fortuna de Rio Verde e de seu prefeito

Em um gabinete improvisado e sem sofisticação, no fundo da recepção de seu hotel, Otaviano Pivetta, o prefeito eleito mais rico do país, discute com seus assessores a composição do time que governará Lucas do Rio Verde, pequeno município a 350 km de Cuiabá.

Gaúcho de Caiçara, Pivetta está prestes a iniciar seu terceiro mandato, depois de governar a cidade entre 1997 e 2004. Com patrimônio declarado de R$ 321 milhões, ele é o principal acionista da Vanguarda Agro, uma das maiores empresas agrícolas do país, com mais de 200 mil hectares cultivados – uma área maior que o município de São Paulo. Nos próximos quatro anos, também vai se dedicar à administração da cidade de 50 mil habitantes e de um orçamento de pouco mais de R$ 100 milhões. (Págs. 1 e A12)

País mudou sua matriz econômica, diz Holland

O secretário de Política Econômica do Ministério da Fazenda, Márcio Holland, diz que o baixo crescimento da economia em 2012 foi causado pela transição do país para o que ele chama de “nova matriz macroeconômica”. Essa matriz combina juro baixo, taxa de câmbio competitiva e uma consolidação fiscal “amigável ao investimento”.

Doutor em economia pela Unicamp e com pós-doutorado da Universidade da Califórnia (Berkeley), Holland afirma que, em um primeiro momento, a transição para a nova matriz traz custos às empresas e investidores, acostumados a operar sob a lógica do curto prazo. Para ele, esse momento já passou e, agora, com o novo modelo e com os estímulos criados pelo governo para o investimento de longo prazo, a Formação Bruta de Capital Fixo voltará a crescer de forma acelerada – 8% em 2013, um ritmo duas vezes maior que o do Produto Interno Bruto. “Investidores, bancos, economistas, analistas em geral estão revendo seus modelos de negócio”, diz. (Págs. 1 e A18)

ArcelorMittal dá prioridade agora ao lucro

Lakshmi Mittal, um dos empresários mais audaciosos da história da indústria do aço, moderou suas ambições. Mittal, fundador e diretor-presidente da ArcelorMittal, maior produtora de aço do mundo em volume, disse que seu objetivo agora é aumentar os lucros em vez de crescer agressivamente via investimentos na China, na Índia e em mineração – o plano dele quando criou a companhia em 2006. No momento da fusão que originou a gigante sediada em Luxemburgo, “nós tínhamos certas expectativas […] sobre o mercado e o crescimento que não se concretizaram”, disse. (Págs. 1 e B12)

Odebrecht banca obra do estádio do Corinthians, que vence o Mundial de Clubes (Págs. 1 e B4)

Choque de gestão nas docas esbarra em passivo bilionário (Págs. 1 e B10)

Prioridade de Shinzo Abe é estimular crescimento do Japão (Págs. 1 e A15)

Passivo ambiental nas elétricas

A evolução da legislação socioambiental teve impacto significativo no setor elétrico. Só as quatro maiores geradoras de capital aberto — Cesp, Cemig, Chesf e Copel — têm juntas R$ 530 milhões em provisões na área. (Págs. 1 e A3)

Segurança no transporte de cargas

Empresas de segurança como Protege e Prosegur investem no transporte de cargas valiosas, segmento que por muito tempo foi dominado pela Brink’s. Os roubos de carga cresceram 17% no primeiro semestre. (Págs. 1 e B4)

Ibema no Bovespa Mais

A Ibema, terceira maior fabricante de papel-cartão do país, com sede no Paraná, anuncia amanhã a listagem de suas ações no Bovespa Mais, operação que poderá movimentar até R$ 100 milhões. (Págs. 1 e B8)

Rotulagem transgênica

Projeto de lei que deve ser votado na próxima semana na Câmara dos Deputados pode encerrar uma disputa de mais de dez anos ao estabelecer rotulagem obrigatória apenas para produtos que tenham mais de 1% de ingredientes transgênicos. (Págs. 1 e B17)

A união faz a força

Pequenos agricultores de todo o mundo — cerca de 500 milhões, que respondem por 80% da produção — buscam se organizar coletivamente para enfrentar o problema comum da falta de crédito. Contratos diretos com a indústria também ganham força. (Págs. 1 e B18)

Cart capta R$ 750 milhões

A Concessionária Auto Raposo Tavares (Cart) encerrou captação de R$ 750 milhões em debêntures com isenção de IR e IOF para projetos de infraestrutura. Pela primeira vez, uma operação desse tipo contou com recursos de investidores estrangeiros. (Págs. 1 e C12)

Ideias

Renato Janine Ribeiro

No fim, a corrupção é menos ruim do que o desastre na economia e, sobretudo, do que a violência desmedida. (Págs. 1 e A6)

Luiz Carlos Mendonça de Barros

Ao trocar dogmas por uma metodologia aberta, keynesianos estão em condição mais favorável para exercer sua profissão. (Págs. 1 e A11)

————————————————————————————

Estado de Minas

Manchete: Olhe quem veio para o natal

O monstro da inflação chegou para salgar a ceia de celebração do nascimento de Cristo este ano na Grande BH, tornando-a quatro vezes mais cara em relação a 2011. São 5,16%, contra 1,27%. Carnes, frutas e embutidos são os maiores vilões. Os cálculos, com base no IPCA, são do analista do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) Antonio Braz e levam em conta uma cesta contendo 34 itens. A variação pode ser maior porque o indicador inflacionário oficial desconsidera produtos como peru, panetone, bacalhau, frutas secas e castanhas, também típicos dos cardápios nas comemorações de fim de ano. Para driblar os preços e não estourar o orçamento, o consumidor tem como opções ficar de olho em ofertas e usar a criatividade para levar à cozinha e à mesa ingredientes mais acessíveis ao bolso. (Págs. 1 e 10)

Acusados de fraudes esperam boas festas

Projeto a ser votado na Assembleia antes do natal pode livrar ex-prefeitos e outros agentes públicos de processos no TCE. (Págs. 1 e 3)

Apagão: Queda de energia elétrica atingiu 211 cidades de Minas (Págs. 1 e 11)

Manicômios: Vidas em confinamento perpétuo

Um em cada quatro internos de manicômios judiciários do país já tem autorização para sair, mas porque não tem mais laços familiares ou para onde ir passa a vida dentro das instituições. Há quem está há décadas internado por delitos banais. É o que o EM mostra em série de reportagens a partir de hoje. (Págs. 1, 8 e 9)

————————————————————————————

Zero Hora

Manchete: Culpa da imprudência – Duplicada, BR-101 está matando mais

Mortes crescem a cada ano desde 2009. Entre as vítimas, pedestres que atravessam fora do lugar e motoristas que correm demais. (Págs. 1 e 26)

————————————————————————————

Brasil Econômico

Manchete: Bradesco e Itaú preparam-se para abrir frente no mercado mexicano

Com juros em queda e rentabilidade menor, os grandes bancos brasileiros são atraídos pela expectativa de forte crescimento de países da América Latina. Segundo Rogério Calderón, diretor do Itaú, o México é a bola da vez do crédito ao consumo. (Págs. 1 e 30)

“Pouco caso com o setor de serviços retarda crescimento”

Em entrevista ao BRASIL ECONÔMICO, o ex-presidente do BC, Gustavo Franco, diz que o governo dá ênfase excessiva à política industrial e deixa de lado os serviços que respondem por 75% dos empregos do país. (Págs. 1 e 4)

Dilema das PMEs no mercado externo

Embora representem 99% das companhias no Brasil, pequenas e médias respondem por apenas 25% do PIB e têm presença quase nula nas exportações. (Págs. 1 e 11)

Veto à nova lei de royalties está nas mãos de Luiz Fux

Rio e ES acreditam que o ministro do STF concederá a liminar que adia votação de amanhã. (Págs. 1 e 10)

Brado, da ALL, planeja investir R$ 1,2 bi no Brasil

Nos próximos 4 anos, subsidiária espera passar de 2% para 11% de participação no mercado. (Págs. 1 e 18)

Europa fortalece BCE e acelera a união bancária

Líderes europeus avaliam que supervisão bancária única garante a “irreversibilidade do euro”. (Págs. 1 e 36)

Tijolo com tijolo

Em 2013, crédito imobiliário crescerá entre 15% e 20% sobre o volume de R$ 85 bilhões de 2012, prevê Abecip. (Págs. 1 e 33)

Clipping Radiobrás

Edição: Equipe Fenatracoop

Portal Cambé, site de informações e serviços de Cambé – PR.

Responda

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.