Divulgação

A delegada do Núcleo de Proteção de Crianças e Adolescentes Vítimas de Crimes, Raissa Vargas Scariot, afirmou na tarde desta terça-feira (24) que o menino encontrado há 14 dias em Cascavel pode ter origem paraguaia. De acordo com ela, há suspeitas de que Maria Conceição Queiroz, conhecida como Maria Paraguaia, que disse tê-lo achado, na verdade, intermediava uma adoção ilegal da criança, que tem cerca de um ano de idade.
Segundo a delegada, as investigações avançaram após a divulgação da foto do menino. Com a suspeita de que a criança pode ter sido vítima de tráfico de pessoas, o caso será encaminhado para a Polícia Federal.
De acordo com a polícia, a suspeita foi conduzida nesta terça-feira (24) para prestar esclarecimentos. Segundo a delegada Raissa, na casa da suspeita, havia duas meninas, uma de nove anos e outra que não teve a idade identificada. A polícia investiga a ligação das garotas com a mulher.
“Ela [a suspeita] foi ouvida, primeiramente, na condição de testemunha, de que teria encontrado a criança. Desde o início, nós achamos o comportamento dela incomum, porém não havia nada”, comentou a delegada.
Ainda de acordo com a delegada, será preciso apurar quem são os pais do menino no Paraguai e também a família que receberia o menino.
A delegada disse que “ainda não foram identificadas, mas podem haver outras pessoas envolvidas”.
O advogado de Maria Queiroz, Felipe Veloso, informou que não teve acesso aos autos do processo. “Não conversamos a respeito deste assunto e, em um primeiro momento, não tenho essa informação, sobre qual crime está sendo imputado a ela”, disse.

(Com informações do G1 Paraná)

Portal Cambé, site de informações e serviços de Cambé – PR.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.