Hauly e Durval Amaral preparam seus filhos para sucessão na política paranaense
Hauly e Durval Amaral preparam seus filhos para sucessão na política paranaense

Políticos lançam herdeiros na disputa para manter o nome da família no poder.

Prefeitos, deputados federais e estaduais e governadores acostumados estarem no poder, já estão pensando e articulando a sua permanência nos mais autos escalão da política brasileira e paranaense. Alguns, pelo avançar da idade, outros por problemas de saúde ou até mesmo pelo desgaste de sua imagem perante a população, estão preparando filhos, esposas e irmãos para assumirem o seu lugar na política, fato que garante a permanência desses velhos caciques de política no poder.

De acordo com especialistas, a tarefa pode ser fácil para uma geração que cresceu vendo os pais, esposos e irmãos em palanques, carreatas e viajando pelo estado atrás de votos. Sobrenome conhecido eles já têm. O desafio é extrapolar o possível quadro de eleitores herdados e manter a família no poder. A legenda que mais está investindo na renovação por meio de filhos de lideranças partidárias é o PSDB.

Depois de cinco mandatos, o tucano Nárcio Rodrigues – que se licenciou da Câmara dos Deputados para assumir a Secretaria de Estado de Ciência e Tecnologia – não vai tentar a reeleição, deixando a responsabilidade de manter o legado para Caio Nárcio, de 26 anos, seu filho caçula. Para ficar conhecido, Caio está acompanhando o pai no interior do estado e já chegou a representá-lo em inauguração de obras na base eleitoral da família.

Mas não é só no PSDB que herança política passa de pai para filho. Filho de pai e mãe com carreira na política, Frederico Ferramenta (PT) vai disputar a eleição para deputado estadual. Sua mãe, Cecília Ferramenta (PT), é prefeita de Ipatinga, no Vale do Aço, e já esteve por dois mandatos na Assembléia de Minas. Seu pai, Chico Ferramenta, também foi prefeito de Ipatinga, por três mandatos, e já passou pela Assembléia e Câmara dos Deputados.
No sétimo mandato na Assembléia, Antônio Genaro (PSC) disputou as últimas eleições junto com o filho Leandro Genaro, que como ele é pastor evangélico. O deputado conseguiu se reeleger, mas o filho ficou como segundo suplente do partido. No ano que vem, a dobradinha deve se repetir.

Na região Norte do estado do Paraná, mais precisamente na região de Londrina, essa pratica de passar o poder de pai para filho também vem sendo uma constante. O deputado federal Luiz Carlos Jorge Hauly do PSDB que está no seu sexto mandato consecutivo e vai buscar o seu sete mandato como deputado federal, deve emplacar também nas eleições deste ano o seu filho Luiz Hauly como candidato a deputado estadual pelo PSDB. Outro cacique da política paranaense que tem a sua base  eleitoral na região de Londrina e que teve cinco mandatos consecutivos como deputado estadual e atualmente e conselho do tribunal de contas do estado do Paraná Durval Amaral também vai colocar o se filho Thiago Amaral como candidato a deputado estadual pelo DEM nas eleições deste ano.

Para muitos entendidos e a própria população, acha que a ação de transformar a disputa eleitoral em herança passando de pai para filho coloca em xeque o modelo histórico da democracia mantendo no poder as famílias tidas como tradicionais na política do nosso País.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.