Se possível, jamais celebraria acordo com criminosos
Desafortunadamente, o caminho tradicional para aplicação da lei penal tem-se mostrado ineficaz e instrumento de impunidade. Não é por outra razão que o acordo com a JBSfoi acolhido…
PF tenta marcar data para Temer depor em inquérito
A PF pediu à defesa de Michel Temer uma data para que ele preste depoimento no inquérito aberto no STF em que é investigado por obstrução à Justiça, corrupção e organização criminosa. A defesa quer que ele só seja ouvido após perícia nos áudios da delação da JBS…
——————————————————————

O Globo

Manchete: Isolado, Temer usa Exército após depredações em Brasília
Ato de centrais acaba em vandalismo
Confrontos das ruas se repetem no Congresso
Presidente perde mais um assessor direto

Um protesto convocado pelas centrais CUT e Força Sindical contra as reformas e pela saída do presidente Temer acabou em vandalismo em Brasília, com prédios públicos depredados, bombas e até fogo dentro da sede do Ministério da Agricultura. A Esplanada dos Ministérios teve de ser esvaziada. Forte aparato policial fechou os acessos à Praça dos Três Poderes. Houve atos de violência tanto de manifestantes quanto de policiais. Sete pessoas foram detidas e 49 ficaram feridas, inclusive PMs. Dentro do Congresso, o clima também era de muita tensão. Deputados chegaram a trocar empurrões quando o presidente da Câmara, Rodrigo Maia, anunciou a convocação de tropas federais. O presidente Temer, que ontem perdeu mais um assessor em meio à grave crise, assinou decreto de Garantia da Lei e da Ordem (GLO) convocando as Forças Armadas para atuarem na segurança e contra a violência em protestos, sendo criticado pela oposição. Reunido ontem em Washington, o Conselho Permanente da OEA ressaltou a força das instituições brasileiras para enfrentar a crise. (Págs. 3 a 11)

EDITORIAL
‘Momento de se reduzirem as tensões políticas’ (Pág. 22)

Prevista na Constituição, ação é polêmica
Mesmo prevista na Constituição, a decisão do presidente Temer de convocar ação militar foi criticada por especialistas. Para alguns, ao lançar mão do recurso para conter manifestantes em Brasília, o presidente pode ter intensificado a imagem de fragilidade do governo, adotando tom autoritário. PMs deram tiros com armas de fogo para tentar controlar a violência no protesto. (Págs. 4 e 6)

Colunistas
MERVAL PEREIRA
Convocação do Exército não justifica tentativa da oposição de ampliar a crise institucional. (Pág. 4)

MÍRIAM LEITÃO
Manifestantes têm indignação seletiva, protestam contra Temer e se calam sobre o PT. (Pág. 26)

FRANCISCO LEALI
Desenhado para as festas da democracia, gramado da Esplanada virou triste cenário. (Pág. 6)

JOSÉ CASADO
Joesley, um bilionário acossado por dificuldades políticas, jurídicas e policiais. (Pág. 9)

ANCELMO GOIS
Mudança na Previdência é o que faltava para o Estado do Rio sair da crise. (Pág. 18)

CARLOS ALBERTO SARDENBERG
Momento é de escolher substituto de Temer para manter agenda de reformas. (Pág. 22)

PEDRO DORIA
Não se constrói uma democracia melhor atacando os seus fundamentos. (Pág. 10)

Alerj aprova alíquota de 14% para servidores do Rio
Medida era essencial para socorro financeiro da União ao estado; Pezão diz que ‘está lutando’ para regularizar salários no fim de junho (Pág. 14)

————————————————————————————

O Estado de S. Paulo

Manchete: Temer chama Forças Armadas depois de ataques a ministérios
Protesto termina em vandalismo, deixa 49 feridos e 8 presos – Presidente invoca Garantia da Lei e da Ordem – Jungmann diz que pedido por tropas veio de Rodrigo Maia, que nega – Medida provoca bate-boca entre deputados
O presidente Michel Temer invocou a Garantia da Lei e da Ordem para acionar as Forças Armadas depois que manifestação convocada por centrais sindicais e movimentos de esquerda transformou a Esplanada dos Ministérios em praça de guerra, ontem. O protesto contra o governo e as reformas trabalhista e da Previdência reuniu 45 mil pessoas e terminou em confronto com a polícia. Prédios de oito ministérios foram depredados e tiveram de ser esvaziados. Pelo menos 49 pessoas ficaram feridas – uma por arma de fogo – e oito foram detidas. O ministro da Defesa, Raul Jungmann, classificou o episódio de “baderna” e disse que o pedido pelo Exército partiu do presidente da Câmara, Rodrigo Maia, que negou. Segundo o Palácio do Planalto, a PM não conseguiu controlar os manifestantes e, por isso, o presidente convocou as tropas para conter o que considerou uma “barbárie”. Na Câmara, o anúncio de que as Forças Armadas tinham sido chamadas provocou bate-boca entre deputados. A sessão foi suspensa por 30 minutos. (POLÍTICA / PÁGS. A4 a A12)

PF tenta marcar data para Temer depor em inquérito
A PF pediu à defesa de Michel Temer uma data para que ele preste depoimento no inquérito aberto no STF em que é investigado por obstrução à Justiça, corrupção e organização criminosa. A defesa quer que ele só seja ouvido após perícia nos áudios da delação da JBS. (PÁG. A10)

Ala jovem do PSDB pede saída do governo (Pág. A11)

Análises
Eliane Cantanhêde
Uso da tropa é constitucional
O uso da tropa passou a ser assimilado pela população e pelo mundo político no governo Lula. (POLÍTICA / PÁG. A8)

José Fucs
O ‘Fora, Temer’ e a guerrilha
O que aconteceu em Brasília foi, em verdade, uma operação de guerrilha urbana. (POLÍTICA / PÁG. A12)

Roberto Godoy
Proteção da Esplanada
Policiais atirando contra manifestantes preocupou comando; 1,4 mil combatentes farão segurança. (POLÍTICA / PÁG. A9)

Celso Ming
Governabilidade e desfecho da crise
Movimento do mercado mostra que a aposta mais forte é de saída de Temer com eleição indireta. (ECONOMIA / PÁG. B2)

Dez pessoas são mortas em fazenda no interior do Pará
Nove homens e uma mulher morreram ontem durante ação policial em Pau D’Arco, a 860 quilômetros de Belém. A polícia disse que foi atacada quando cumpria 16 mandados de prisão. Segundo a CPT, houve uma “chacina” de posseiros em uma área ocupada desde 2015. (POLÍTICA/ PÁG. A13)

Notas & Informações
Não é política, é caso de polícia
É hora de um firme respeito pelo princípio democrático, com a plena consciência do papel que o Congresso pode e deve ter para superar a crise. Menos vandalismo e mais democracia. (PÁG. A3)

A responsabilidade do juiz
A inviolabilidade do sigilo da fonte é mais do que uma garantia do jornalismo, é um sustentáculo da democracia. (PÁG. A3)

————————————————————————————

Folha de S. Paulo

Manchete : Protesto contra Temer em Brasília acaba em violência
Confronto danifica dez ministérios; presidente convoca militares para proteger prédios públicos
O protesto organizado por centrais sindicais e movimentos de esquerda contra o presidente Michel Temer transformou a Esplanada dos Ministérios, em Brasília, em palco de batalha com a Polícia Militar e a Força Nacional. Manifestantes depredaram oito ministérios e incendiaram dois. Houve 49 feridos —uma pessoa foi baleada. O ato reuniu 45 mil pessoas, segundo a PM, e 150 mil, de acordo com organizadores. Por decreto, válido até o dia 31, Temer convocou as Forças Armadas para proteger o patrimônio federal. Na noite de ontem, os ministérios já passaram a ter segurança feita pelo Exército. O ministro da Defesa, Raul Jungmann, chamou de “baderna” e “descontrole” os atos de vandalismo.
Ele atribuiu a solicitação de militares ao presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM), que negou e disse ter pedido só o emprego da Força Nacional. Os confrontos de rua tiveram consequências no Congresso, e deputados chegaram a se agredir fisicamente. Parlamentares de oposição criticaram o uso do Exército, enquanto governistas fizeram críticas à manifestação. Em 2013, a ex-presidente Dilma Rousseff (PT) também recorreu aos militares durante a onda de manifestações que tomou o país. (Poder A4)

Polícia mata dez durante ação em fazenda no Pará
Uma ação policial terminou com dez pessoas mortas na fazenda Santa Lúcia, em Pau d’Arco (a 867 km de Belém), nesta quarta (24). Governo do Pará e Comissão Pastoral da Terra divergem nas razões da operação. Esse foi o caso mais violento ligado à disputa agrária desde o massacre de Eldorado do Carajás, em 1996. (Poder A14)

Índex Lava Jato
Rodrigo Janot
Se possível, jamais celebraria acordo com criminosos
Desafortunadamente, o caminho tradicional para aplicação da lei penal tem-se mostrado ineficaz e instrumento de impunidade. Não é por outra razão que o acordo com a JBSfoi acolhido. (Opinião A3)

Ali Kamel
Posição da TV Globo é a de quem não tem lados
Marcelo Coelho comete equívocos, é ofensivo com a Globo e seus jornalistas e omisso em relação ao jornal em que esteve. Não posso me calar diante de ofensas tão graves ao jornalismo que dirijo e aos meus colegas. (Poder A13)

Roberto Dias
Acordo com JBS mostra que o crime compensa (Opinião A2)

Vinicius Mota
Interesses políticos se alinham à Constituição (Poder A11)

Donos da empresa tiveram lucro de R$ 163 mi em 2016 (Poder A12)

Editoriais
Leia “Acordo açodado”, sobre benefícios inaceitáveis para delatores da JBS, e “Conflitos sob o teto”, acerca de disputa por verbas do Orçamento federal. (Opinião A2)

————————————————————————————

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.