‘A Aneel errou ao fazer o trabalho de fiscalização’ – BC surpreende ao revelar na ata do Copom que busca juro de um dígito – Rio em choque: Tragédia alerta para obras sem controle – É imposto demais e benefício de menos – Convênio vai ajudar saúde de acidentado – MP cobra planos para resíduos – Negócios do pré-sal – Seringueiras precoces – Mercadante demite presidente do Inep – MP denuncia juízes por venda ilegal de imóvel…

O Globo

Manchete: Nova tragédia, velhos erros

Obras irregulares podem ter causado desabamento que deixou 4 mortos e 22 desaparecidos

O desabamento de três prédios na Cinelândia – que deixou quatro mortos e 22 desaparecidos, além de seis feridos em mostra que erros e negligência podem estar por trás de mais uma tragédia na cidade. No prédio de 20 andares, que ruiu sobre outros dois, estavam sendo realizadas, sem licença do Crea-RJ, duas obras de grande porte, no 3º e no 9º andares. “Eram obras irregulares, com certeza”, disse o presidente da Comissão de Análise e Prevenção de Acidentes da entidade, Luiz Antonio Cosenza. Além disso, as obras não tinham licença da Secretaria de Urbanismo – obrigatória, conforme o Plano Diretor, quando reformas são realizadas no entorno de bens tombados. O prédio era vizinho do Teatro Municipal, protegido pelo Iphan. A prefeitura alega que a exigência só se aplicaria a obras que afetem a ambiência. Se confirmadas as mortes dos desaparecidos, a catástrofe da Cinelândia vai se equiparar à maior tragédia já provocada por desmoronamentos no Rio – o do Elevado Perimetral, em 1971. A polícia instaurou inquérito para apurar responsabilidades. Uma falha estrutural é, até agora, a principal hipótese para explicar o desmoronamento. Após vistoria no local, o especialista do Crea Antonio Eulálio Pedro afirmou que o desabamento pode ter sido causado pela subtração de uma viga ou de um pilar, pela corrosão da laje da cobertura ou por excesso de peso de entulho de obra. Relatos de sobreviventes reforçam as suspeitas. Um dos quatro operários da obra no 9º andar revelou que, pouco antes de os prédios caírem, ele subia pelo elevador com tijolos e areia. Uma empresária com escritório no 16º andar contou que estranhava quando o elevador parava no 3º pavimento: “Dava para ver que não tinha nenhuma parede nem as pilastras.” (Págs. 1, Caderno especial e editorial “Um alerta à cidade do Rio”, 6)

A dor da espera

Dor e desespero na Câmara dos Vereadores, onde a prefeitura montou um centro de assistência para as pessoas que procuravam notícias de parentes. (Pág. 1)

Omar, desaparecido

Omar Mussi, 48 anos, era especializado em Tecnologia da Informação (TI) e dava o treinamento para os funcionários da TO. Deixou mulher e filha. (Pág. 1)

‘Mãe, não morre!’

Kelly Meneses, 28 anos, estava num curso no 6º andar. A filha deixou recado no Facebook: “Mãe, não morre, fica comigo! Kelly está entre os desaparecidos.” (Pág. 1)

‘Nasci de novo’

“O prédio parecia estar desmanchando”, disse Alexandro da Silva Santos, 31, que trabalhava numa das obras do prédio e escapou pelo elevador. (Pág. 1)

Sala de aula cheia no prédio que caiu

Doze dos desaparecidos estavam na sala de aula do curso de Tecnologia de Informação da TO, a dona das obras. Nos prédios havia mais de 50 empresas e escritórios de advocacia. (Pág. 1)

‘Vada a bordo, Cabral!’

O silêncio do governador, que só após 17 horas falou sobre a tragédia, em entrevista por telefone, provocou sátiras nas redes. Internautas brincaram que ele estava “no Canadá, com Luiza” e adaptaram o bordão italiano “vada a bordo” para provocar Cabral. Assessores disseram que ele acompanhou os fatos. (Pág. 1)

Dilma não aceita ameaças do PMDB e tira diretor do Dnocs (Págs. 1, 3 e 4)

Ancelmo Gois

O ministro da Saúde suspenderá hoje todas as 37 obras dos seis hospitais federais do Rio, com base em relatório do Tribunal de Contas. A maioria é suspeita de fraudes, as outras têm má gestão. (Págs. 1, 16 e 17)

Desemprego no país cai a 4,7%, o menor dos últimos 9 anos (Págs. 1 e 21)

————————————————————————————

O Estado de S. Paulo

Manchete: Desabamento no Rio mata 4 e 22 estão desaparecidos

Bombeiros passaram o dia vasculhando escombros dos 3 prédios que desmoronaram no centro. Famílias se reuniram a espera de notícias. Causas do acidente são desconhecidas

Quatro corpos haviam sido retirados até as 21h de ontem da montanha de escombros dos três prédios que desabaram na noite de quarta-feira no centro do Rio. Vinte e duas pessoas continuavam desaparecidas. O primeiro corpo encontrado foi o de um homem de 44 anos. Ele estava abraçado a uma carteira de sala de aula. O segundo corpo, de um homem de 73 anos, foi identificado por parentes. Também foi localizado o corpo de uma mulher, não identificada. Dos seis feridos na véspera, cinco foram liberados e uma mulher submetida a cirurgia continuava internada. À medida que passavam as horas, diminuíam as esperanças dos bombeiros de encontrar alguém com vida. “As chances são muito baixas”, disse o comandante da Defesa Civil, o coronel Sérgio Simões. Na noite da tragédia, ele falara de bolsões de ar que poderiam fornecer oxigênio para soterrados. O desmoronamento mudou a rotina no centro. O trânsito foi interditado e pessoas usavam máscara para se proteger da poeira. Até a noite de ontem, as causas do acidente eram desconhecidas. (Págs. 1 e Cidades C1, C3 e C5)

Foto-legenda: ‘Milagre’

O ajudante de pedreiro Alexandro Santos, de 31 anos, sobreviveu por estar num elevador. “Foi a única coisa que sobrou do prédio.” (Págs. 1 e C3)

Foto-legenda: Uma espera angustiante

A Câmara dos Vereadores, no centro, virou ponto de atendimento às famílias de vítimas. As informações, escassas, eram passadas por bombeiros. (Págs. 1 e C3)

MP denuncia juízes por venda ilegal de imóvel

O Ministério Público Federal (MPF) denunciou criminalmente os juízes federais Moacir Ferreira Ramos e Solange Salgado da Silva Ramos de Vasconcelos, acusados de apropriação indébita, informa o repórter Fausto Macedo. Ex-presidentes da Associação dos Juízes Federais da lª Região, eles foram denunciados por terem vendido, sem autorização, a única sala comercial da entidade em Brasília. O dinheiro da venda – R$ 115 mil, segundo o MPF – foi usado para abater dívidas de empréstimos pessoais dos dois magistrados. (Págs. 1 e Nacional A4)

Em oito anos, índice de desemprego cai pela metade

O índice de desemprego fechou o primeiro ano da gestão de Dilma Rousseff em 6%, a metade do registrado em 2003 (12,4%), no início do governo Lula. O resultado de 2011 foi beneficiado pela queda do desemprego de 5,2% em novembro para 4,7% em dezembro, a menor taxa de toda a série histórica da Pesquisa Mensal de Emprego do IBGE. A média do ano foi de 1,4 milhão de pessoas em busca de emprego. Em 2003, eram 2,6 milhões. (Págs. 1 e Economia B1)

11 milhões de trabalhadores tinham carteira assinada no ano passado.

BC avisa que taxa de juro será de um dígito em breve

Em um texto mais direto que os anteriores, a ata da última reunião do Copom divulgada ontem explicita a preocupação com o ritmo da economia, que cresceu menos que o esperado no segundo semestre de 2011. Segundo o Banco Central, é “elevada a probabilidade” de que a taxa básica da economia, a Selic, hoje em 10,5%, siga em queda em direção ao nível de um dígito. (Págs. 1 e Economia B4)

Movimentações atípicas

Levantamento do Estado mostra que, desde 2010, o mercado de juros tem movimentação atípica às vésperas de reuniões em que a decisão do Copom sobre a Selic surpreende. (Págs. 1 e Economia B5)

SP tem menos homicídios

Em 2011, o Estado de São Paulo registrou 4.189 homicídios, 132 menos do que em 2010. Já os latrocínios (roubos seguidos de morte) cresceram 20,9%. (Págs. 1 e Cidades C8)

Irã aceita diálogo sobre programa nuclear (Págs. 1 e Internacional A10)

Mercadante demite presidente do Inep (Págs. 1 e Vida A13)

Ameaça de líder do PMDB faz Planalto demitir diretor do Dnocs

A presidente Dilma Rousseff mandou demitir Elias Fernandes da diretoria do Departamento Nacional de Obras Contra as Secas (Dnocs) ao saber que o líder do PMDB, Henrique Eduardo Alves, dissera não admitir ver seu afilhado político deixar o cargo com a pecha de corrupto. (Págs. 1 e Nacional A5)

Celso Ming

Pleno emprego e juros

O BC nunca chegou tão perto de admitir que busca juros abaixo de 10% ao ano. Também nunca o desemprego foi tão baixo. Esse é um obstáculo. (Págs. 1 e Economia B2)

Nelson Motta

Darth Vaders de toga

Nada justifica que tantos juízes do TJ do Rio ganhem mais de R$ 50 mil por mês, o dobro do salário da presidente da República. (Págs. 1 e Nacional A9)

Notas & Informações

O risco de uma recaída global

O governo deveria dar mais atenção ao comércio internacional e à saúde das contas externas. (Págs. 1 e A3)

————————————————————————————

Correio Braziliense

Manchete: Rio de angústias…

Enquanto os bombeiros procuravam vítimas sob toneladas de escombros – até ontem à noite foram confirmadas cinco mortes -, as autoridades e a população do Rio de Janeiro buscavam explicações para o desabamento de três prédios no Centro da cidade. Há suspeitas de que duas obras clandestinas em um dos edifícios provocaram a tragédia.

…de tristezas

Sandra Maria Ribeiro soube da morte do pai por telefone. Um bombeiro que fez o resgate do corpo deu a notícia. Cornélio Ribeiro Lopes, 73 anos, era porteiro e morava no Edifício Liberdade havia 20 anos. A atual esposa de Cornélio, Margarida, também vivia no local e ainda não foi encontrada

….de dúvidas

A catadora de lixo Vera Lúcia dos Santos trabalhava perto dos prédios. Ela escapou, mas o seu sobrinho Moisés Moraes Silva foi soterrado e morreu. Três mulheres que estavam com ela sumiram. Vera teme que essas pessoas também não tenham saído a tempo. Segundo a Defesa Civil, há 21 desaparecidos.

….de milagres

A história de Alexandro Santos, 31 anos, pode virar um filme. O pintor estava no 9º andar do Liberdade quando a estrutura ruiu. Sobreviveu porque entrou no elevador. Alexandro foi salvo após ligar do celular para um amigo. Com um sorriso no rosto e nenhum ferimento grave, ele diz que nasceu de novo. (Págs. 1 e 6 a 8)

O menor desemprego da história

IBGE anuncia índices recordes no país, de apenas 6% em 2011 e de 4,7% em dezembro. (Págs. 1, 9 e Visão do Correio, 12)

Mudou? Tudo como d’antes no Dnocs de Alves

Diretor do departamento, Elias Fernandes é demitido, mas o cargo segue sob controle de líder do PMDB. (Págs. 1 e 2)

Mais R$ 12 milhões desviados no TRT

Novo desvio de recursos destinados a indenizações judiciais se soma aos R$ 5,5 milhões que já haviam sido descobertos pelo tribunal. A servidora Márcia Vieira, acusada de praticar as duas fraudes, depôs na Polícia Federal e disse não ter ideia do tamanho da sangria. (Págs. 1 e 5)

————————————————————————————

Valor Econômico

Manchete: Fundos driblaram queda da bolsa e ainda bateram o CDI

Com uma estratégia basicamente conservadora, um seleto grupo de dez fundos de ações conseguiu não apenas evitar perdas com o naufrágio da bolsa, que caiu 18,1% em 2011, mas ainda superar o rendimento de 11,6% proporcionado pelo CDI. O ranking elaborado pelo economista Marcelo d’Agosto, responsável pelo blog “O Consultor Financeiro” no portal Valor, levou em conta os fundos de ações não exclusivos e com mais de dez cotistas.

Os resultados mostram que 2011 foi o ano dos papéis “defensivos”, bons pagadores de dividendos, com geração de caixa estável. A liderança ficou com os fundos BB Ações Cielo e Bradesco FIA Cielo, que compraram apenas ações da credenciadora de cartões, cujos papéis subiram 53,3%. As ações de Cielo e Redecard tiveram grandes descontos em 2010 porque os investidores apostavam que a abertura da concorrência em um setor antes fechado derrubaria seu valor. Isso não ocorreu. (Págs. 1 e D3)

Minoritários reclamam da Petrobras

Acionistas minoritários estrangeiros da Petrobras estão preocupados em garantir que indicarão, sem interferência da empresa, um representante para o conselho de administração na assembleia geral deste ano. Há oito dias, dez grandes investidores europeus e americanos enviaram carta ao ministro Guido Mantega, presidente do conselho de administração da companhia. O motivo da carta foi a indicação e posterior eleição para o conselho de Josué Gomes da Silva, controlador da Coteminas e filho do ex-presidente da República José Alencar. Os acionistas reclamam do procedimento da Petrobras, que os levou a aprovar o nome do empresário sem todas as informações a seu respeito. (Págs. 1 e D1)

Ata mostra que o BC adotou ‘cenário Dilma’

O Banco Central deu um claro sinal de que está disposto a concretizar o “cenário Dilma”, com a taxa Selic perto de 9% ao longo de 2012. Foi isso que a ata do Copom sacramentou ontem, com uma previsão explícita sem precedentes: a taxa de juros deve ser de um dígito, dado o frágil ambiente externo. Da leitura do texto fica pelo menos uma convicção: a convergência dos juros domésticos para os padrões internacionais é um projeto de governo.

Ao fazer essa previsão, o BC recorreu a argumentos questionados por parte do mercado, como o de que a inflação em 12 meses caminha para o centro da meta em 2012 e que o juro neutro (aquele que permite o crescimento econômico sem gerar inflação) mudou de nível e é menor atualmente. “Fazer essa indicação sobre a Selic quando a projeção da inflação do próprio BC não está totalmente alinhada com o centro da meta é assumir riscos”, afirma o economista-chefe do Deutsche Bank, José Faria. “Cresceu o risco de o BC ter de subir os juros antes de 2013”. (Págs. 1, C1 e C2)

Retomada modesta não inibe corte de juros

O pior momento da atividade econômica ficou para trás e desde novembro está em curso uma recuperação, mas o ritmo ainda é moderado, segundo analistas, não sendo obstáculo à queda da taxa de juros para a casa de um dígito – nível que a ata da reunião mais recente do Copom deixou claro que o Banco Central pretende testar.

Em Brasília, a expectativa é de que para garantir um crescimento de no mínimo 4% do Produto Interno Bruto (PIB) neste ano, como deseja a presidente Dilma Rousseff, a equipe econômica deve preparar uma série de estímulos. Seria possível oferecer esses incentivos sem descumprir a meta fiscal. Um caminho em estudo é o aumento do crédito. O governo já cobrou dos bancos públicos um empenho maior na concessão de financiamentos. (Págs. 1, A5 e C2)

SDE investiga denúncias contra o Google

A Secretaria de Direito Econômico recebeu 200 páginas em manifestações do Google e do Buscapé no processo em que decidirá se há discriminação nas buscas feitas pelo Google no segmento de pesquisa de preços pela internet.

O caso promete ser uma das investigações antitruste mais importantes no Brasil envolvendo tecnologia e informação. De um lado, o Buscapé diz que passou a ser discriminado pelo Google, desde outubro, quando foi lançado o Google Shopping. O Google nega a acusação e afirma que seu sistema de buscas não privilegia empresas e segue o interesse dos usuários. (Págs. 1 e B3)

Porta-contêineres ficam ociosos

A redução do comércio internacional faz com que as empresas de navegação especializadas no transporte de contêineres enfrentem excesso de capacidade em relação à demanda. Essa realidade deixou ancorados nos portos, no início de janeiro, 246 navios ao redor do mundo, o equivalente a 595 mil TEUs (medida equivalente a um contêiner de 20 pés), ou 3,9% da capacidade de carga da frota mundial. Em abril, o percentual da frota ociosa pode chegar a 5,5%. (Págs. 1 e B8)

União Europeia retoma a ideia de acordo comercial com os Estados Unidos (Págs. 1 e A9)

USP busca os caminhos do pleno reconhecimento internacional (Págs. 1 e Eu & Fim de Semana)

Microusinas domésticas

O governo prepara a regulamentação para a microgeração doméstica de energia a partir de painéis fotovoltaicos. O objetivo da medida é incentivar o uso da energia solar por meio da redução da conta de luz dos consumidores que aderirem à proposta. (Págs. 1 e A4)

A face do desemprego

O desemprego nas principais regiões metropolitanas encerrou o ano passado em 4,7%, menor nível da série histórica. O desemprego é maior entre as mulheres jovens, de média escolaridade e sem experiência. (Págs. 1 e A12)

Blog de moda vira canal de venda

Empresas como L’Oréal, Dior, Reckitt Benckiser, Droga Raia e Lojas Marisa transformam blogueiras famosas como Sophia Alckmin — filha do governador de São Paulo, Geraldo Alckmin —em ferramenta de vendas para produtos de beleza e artigos de moda. (Págs. 1 e B1)

Negócios do pré-sal

A Ritz Engenharia planeja a construção de uma retroárea para o porto de Santos, no município do Guarujá, para atender os fornecedores de produtos e serviços à indústria do petróleo. O investimento total pode chegar a R$ 650 milhões. (Págs. 1 e B6)

Defesa contra os importados

O Ministério da Agricultura prepara relação de produtos agropecuários que será submetida ao Mercosul para elevação das tarifas de importação. Vinhos e frutas estariam entre as prioridades. (Págs. 1 e B11)

Seringueiras precoces

O Instituto Agronômico de Campinas (IAC) anunciou o desenvolvimento de seringueiras com maior produtividade. Os clones chegaram à primeira extração de látex com cinco anos — o normal são sete anos. (Págs. 1 e B11)

Inadimplência em queda

Sem a pressão dos fatores que impulsionaram a inadimplência no início do ano passado — inflação e juros em alta —, a desaceleração da economia e a cautela dos bancos na concessão de empréstimos devem reduzir os índices de atrasos em 2012. (Págs. 1 e C7)

MP cobra planos para resíduos

Ministério Público cobra de prefeituras os planos para o cumprimento da política nacional de coleta e reciclagem de resíduos sólidos, sob pena de não receberem recursos para aterros e implantação da coleta seletiva. (Págs. 1 e E1)

Ideias

Raul Velloso e outros

A despesa corrente crescente do governo exige que o Fisco tribute tudo, independentemente dos prejuízos causados. (Págs. 1 e A10)

Ideias

José Luis Oreiro

Acumulam-se sinais preocupantes de que o país está voltando à semiestagnação prevalecente entre 1994 e 2005. (Págs. 1 e A11)
————————————————————————————

Estado de Minas

Manchete: Escombros e mortes no Rio

Bombeiros atravessam a segunda madrugada em busca de vítimas

Nuvens de poeira se fundem à fumaça e um cheiro forte de fuligem e gás empesteia o ar. Somado ao barulho de sirenes e de máquinas revirando os escombros, o cenário é de horror e de caos no entorno da Avenida Treze de Maio, no Centro do Rio, palco da tragédia da noite de quarta-feira, quando três prédios desabaram. É o que relata o enviado especial do Estado de Minas, Daniel Camargos, que ouviu depoimentos assustadores de quem escapou por pouco do desastre e acompanhou o desespero e a ansiedade de parentes de desaparecidos acompanhando as buscas.

O motivo da tragédia

Obras irregulares que teriam afetado a estrutura do edifício mais alto são a causa mais provável.

O que havia nos prédios

Os imóveis abrigavam escritórios de advocacia, contabilidade, imobiliárias e outros serviços.

5 mortos /21 desaparecidos

“Ia morrer todo mundo se fosse na hora do expediente”

Tereza Andrade, sócia de empresa de crédito que funcionava no 16º andar do Edifício Liberdade

Descaso em BH

Tal como no Rio, o Centro da capital mineira tem vários arranha-céus erguidos nos anos 1930 e 1940, alguns em mau estado de conservação. No Edifício Itatiaia, na Praça da Estação, com rachaduras e problemas de reboco na fachada, o Estado de Minas flagrou obras sem projeto nem aval de engenheiros, tocadas pelos próprios condôminos. Já o Edifício Ibaté, na São Paulo com Afonso Pena, acometido de infiltrações, está fechado há anos. (Págs. 1, 10 a 12 e o Editorial ‘Custo alto da imprudência’, 6)

PBH deixa de convocar mais de 3 mil concursados

Enquanto negociava com os vereadores a criação de 52 cargos sem concurso, a prefeitura dispunha de 3.543 aprovados em seleção em agosto de 2010 à espera do chamado. Questionado se os concursados não poderiam preencher as vagas, o Executivo mandou retirar o projeto na Câmara. (Págs. 1 e 3)

Depois do temporal: Municípios correm para receber verba

Prazo para cidades mineiras terem acesso ao dinheiro de reconstrução dos estragos das chuvas termina amanhã para parte delas. Prefeitos tentam tirar dúvidas com a União e acelerar processo de cadastro. (Págs. 1 e 23)

Dnocs: Diretor deixa cargo após denúncias de irregularidade (Págs. 1 e 8)

Trabalho: Desemprego na grande BH é o mais baixo da história (Págs. 1 e 13)

————————————————————————————

Jornal do Commercio

Manchete: É imposto demais e benefício de menos

Pesquisa feita em 30 países deixa o Brasil na pior colocação quando o assunto é carga tributária versus aplicação adequada do dinheiro público. Perde inclusive para Uruguai e Argentina. (Págs. 1 e Economia 3)

Convênio vai ajudar saúde de acidentado

Governos estadual e federal repassarão R$ 87 mil todo mês para unidade de reabilitação de pacientes da Fundação Terra, em Arcoverde, no Sertão. (Págs. 1 e Cidades 3)

Djaci Falcão morre aos 92 anos no Recife

Ex-presidente do STF faleceu ontem, quando dormia em casa. Sepultamento está marcado para as 11h de hoje, no Cemitério de Santo Amaro. (Págs. 1 e 8)
————————————————————————————

Zero Hora

Manchete: Vazamento mobiliza operação no Litoral

Falha em descarga de petróleo produz mancha de um quilômetro quadrado na costa gaúcha e leva Ibama a pedir reforços, diante do risco de desastre ambiental.

Foto legenda: Óleo do descarregamento de navio em terminal de Tramandaí invade mais de três quilômetros de areia e expulsa banhistas. (Págs. 1, 36 e 37)

Dilma no Fórum: “Estamos no centro dos debates de um novo modelo”

Presidente diz que “receitas fracassadas” são propostas à Europa. (Págs. 1, 4 e 5)

Rio em choque: Tragédia alerta para obras sem controle

Em meio à retirada de corpos e à busca de desaparecidos, instala-se um debate na sociedade. (Págs. 1, 30 a 32, Editorial, 10 e Paulo Sant’Ana, 55)

Entrevista ZH: Davos volta seus olhos para o Brasil

Ben Verwaayen, executivo de multinacional, reitera interesse no país. (Págs. 1 e 18)

————————————————————————————

Brasil Econômico

Manchete: BC surpreende ao revelar na ata do Copom que busca juro de um dígito

O Banco Central quebrou um paradigma ontem ao divulgar a ata da última reunião do Copom. Nunca antes na história do país, a autoridade monetária admitiu num documento oficial que persegue patamar tão baixo para a taxa básica. No mercado, há dúvidas de quando o objetivo será alcançado. (Págs. 1 e 30)

A próxima atração cultural

Depois de restauração de R$ 76 mi, São Paulo ganha amanhã um novo museu: o MAC com 8 mil obras de arte. (Págs. 1 e 28)

Alimentos

Arroz é Tio João, água é Lindoya, açúcar é União e carne bovina in natura será Friboi, quer Wesley Batista. (Págs. 1 e 16)

Desemprego baixo bate novo recorde

A taxa de dezembro foi menor da história: 4,7%. No ano, 6%. (Págs. 1 e 6)

Brasil melhora na área de patentes

Acordos internacionais e inovação tecnológica foram destaque. (Págs. 1 e 12)

Mantega garante que governo vai investir 3% do PIB em 2012

O ministro disse ainda que a meta para o déficit primário será cumprida. Tudo para ter crescimento de 4,5%. (Págs. 1 e 8)

Desabamento no Rio deixou empresas ‘Entre a dor e o nada’

Título do filme produzido pela MPC, que perdeu escritório, resume o sentimento de todos com a tragédia. (Págs. 1 e 4)

‘A Aneel errou ao fazer o trabalho de fiscalização’

O diretor-geral Nelson Hubner, em entrevista ao BRASIL ECONÔMICO, admitiu que houve falha de fiscalização no apagão de 2011 em São Paulo, provocado por erro da AES Eletropaulo. (Págs. 1 e 10)

Bya Barros vende casa dos ricos

Arquiteta e decoradora dos ricos e famosos e ex-mulher de Carlos Jereissatti, do Iguatemi, vira corretora de imóveis. (Págs. 1 e 23)

Cameron: “Taxar bancos é loucura”

Em Davos, premier inglês critica proposta dos franceses. (Págs. 1 e 36)

Empresas se fundem para fazer recuperação de crédito

Veganet e Larc criam holding Vegapar para reduzir custos e ganhar competitividade na prestação de serviços financeiros. (Págs. 1 e 32)
Clipping Radiobrás

Edição: Equipe Fenatracoop

Portal Cambé, site de informações e serviços de Cambé – PR.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.