Sem aumento: Piratini tenta barrar reajuste para Judiciário – Força-tarefa no Daer tira foco dos pardais – São Paulo e Rio mais caras que Londres e Paris – Conta adicional da Previdência – Reforma simultânea de seis códigos traz riscos – Dinheiro extra para aposentados – INSS vai pagar revisão a 117 mil aposentados – Estatal estuda assumir maior parcela de risco no trem-bala – Auxiliares de Dilma já falam em manter diretor no Dnit…

O Globo

Manchete: Congresso prevê aumento real para os aposentados em 2012

Por ordem do STF, governo começará a pagar atrasados a 131.161 segurados

A Comissão Mista de Orçamento aprovou ontem a inclusão, na Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO) de 2012, de proposta do senador Paulo Paim (PT-RS) que prevê’ aumento real para os aposentados que ganham acima do salário mínimo. O texto do governo não garantia reajuste acima da inflação para esses segurados, mas apenas para os que recebem o piso e que, no ano que vem, devem ter um reajuste de 13% a 14%. Mas o Planalto concordou com a proposta de Paim diante da ameaça de aprovação de emenda que estenderia o mesmo percentual do mínimo para todos os aposentados. Ontem, o Ministério da Previdência anunciou que, por determinação do STF, começará a pagar, em setembro, R$ 1,7 bilhão de atrasados a 131.161 aposentados e pensionistas do INSS que tiveram o benefício concedido entre abril de 91 e janeiro de 2004. Em média, cada beneficiário receberá R$ 11.586 de retroativos, que serão parcelados. (Págs. 1 e 3)

Foto legenda: Juntos para sempre?

Com a ministra Ideli Salvatti, líderes do PT e do PMDB comemoram o “casamento” entre os dois partidos com um bolo que tinha bonecos da presidente Dilma e do vice Michel Temer. Mas o encontro não foi tão doce: os aliados cobraram a liberação de emendas parlamentares. (Págs. 1 e 3)

Novo ministro anuncia ‘ajustes’ nos Transportes

Apesar de o diretor afastado do Dnit, Luiz Antonio Pagot, ter dito ontem que não há corrupção no órgão, o novo ministro dos Transportes, Paulo Sérgio Passos, em sua primeira entrevista como efetivado no cargo, disse que vai fazer ajustes na pasta envolvida em denúncias de cobrança de propina. Escolhido pela presidente Dilma à revelia do PR, Passos, que é do partido, anunciou troca de pessoal e mudanças no regime de contratação das obras. No Paraná, Dilma disse que fica triste com os “erros que acontecem no governo”. (Págs. 1, 4, 9 e 10)

Devassa na prefeitura de Friburgo

Polícia Federal e Ministério Público recolhem contratos que comprovariam fraudes e desvio de verbas para reconstrução após a tragédia

Uma operação conjunta da Polícia Federal e do Ministério Público ocupou ontem a prefeitura de Friburgo, onde foram recolhidos 40 processos de contratos assinados pelo município após a tragédia das chuvas este ano. Há suspeita de que os documentos tenham sido fraudados, as obras, super faturadas e o dinheiro público, desviado. O Ministério Público conseguiu mandados judiciais para apreender os documentos porque a prefeitura não quis fornecer informações. (Págs. 1 e 12)

Mais R$ 147 milhões sem licitação

O governo do estado aprovou mais R$ 147,6 milhões sem licitação para obras na serra. A autorização foi publicado no Diário Oficial um dia após o fim da vigência do decreto que declarou a região em estado de calamidade pública, permitindo ao estado contratar empresas para obras de emergência, sem fazer concorrências. (Págs. 1 e 13)

UNE faz Congresso chapa branca

Com o patrocínio de empresas estatais, como a Petrobras, e também do governo de Goiás e da prefeitura de Goiânia, a União Nacional dos Estudantes (UNE) começa hoje o seu 52º Congresso, ao custo de R$ 4 milhões. A entidade que deu apoio à presidente Dilma na campanha levará como estrelas o ex-presidente Lula e o ministro Fernando Haddad. (Págs. 1 e 11)

Carrefour agora interessa ao Walmart

Depois de levar o “não” dos acionistas do Casino e da direção do BNDES, o empresário Abilio Diniz recuou da proposta de fusão com o Carrefour no Brasil. O mercado especula que a rede agora pode ser comprada pelo Walmart. (Págs. 1 e 21)

Grevistas invadem Secretaria de Educação (Págs. 1 e 15)

————————————————————————————

O Estado de S. Paulo

Manchete: Sem o BNDES, Pão de Açúcar suspende fusão com Carrefour

Com o veto do sócio francês, investidores reunidos por Abílio Diniz suspenderam ‘temporariamente’ a proposta

O grupo de investidores reunido pelo empresário Abilio Diniz suspendeu ontem “temporariamente” a proposta de fusão do Pão de Açúcar com as operações brasileiras do Carrefour. A decisão foi tomada após o conselho de administração do grupo, com a rede de varejo francesa Casino à frente, considerar a ideia “contrária aos interesses” dos acionistas, baseada em uma visão estratégica “errada” e em estimativas de sinergias “fortemente superdimensionadas”. “Esta proposta, não solicitada, é hostil e ilegal”, disse o conselho em comunicado divulgado após reunião em Paris. O voto unânime contra a fusão levou o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) a desistir do aporte de até R$ 4,5 bilhões no negócio. A participação do banco estatal vinha sendo alvo de críticas. (Págs. 1 e Economia B15)

Comunicado oficial

“O conselho de administração constatou por unanimidade, com exceção do sr. Abilio Diniz, que o projeto é contrário aos interesses do grupo” (Pág. 1)

Auxiliares de Dilma já falam em manter diretor no Dnit

O Planalto avalia que foi precipitado ao tirar Luiz Antonio Pagot da diretoria-geral do Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (Dnit) e procura uma saída honrosa para o caso. Embora considerada difícil, a permanência de Pagot tem sido cogitada. Alguns líderes da base aliada já defendem abertamente a volta de Pagot ao Dnit. (Págs. 1 e Nacional A4)

Fifa confirma abertura da Copa em Itaquera

A Fifa definiu que o estádio do Corinthians, em Itaquera, será o palco da abertura da Copa do Mundo de 2014. A informação foi antecipada ontem pela coluna Direto da Fonte no estadão.com.br. Tanto o clube quanto a Confederação Brasileira de Futebol (CBF) já foram notificados da decisão. A entidade presidida por Joseph Blatter aguardava a definição e a apresentação das garantias financeiras do projeto, o que foi feito na segunda-feira. Um aspecto, porém, ainda preocupa: falta a assinatura do contrato entre o Corinthians e a Odebrecht, encarregada da obra. (Págs. 1 e Esportes E4)

Estatal estuda assumir maior parcela de risco no trem-bala

Diante da dificuldade de conseguir que o setor privado assuma os riscos da operação e manutenção do trem-bala, o governo estuda dar à Etav, estatal criada para ser sócia do empreendimento, parcela maior de responsabilidade sobre a linha que ligará Campinas, São Paulo e Rio. No modelo original, que fracassou, a estatal entraria como sócia das empreiteiras e da empresa fornecedora da tecnologia do trem-bala. A participação da Etav seria limitada. (Págs. 1 e Economia B5)

MP pedirá 12 anos de prisão no caso TAM

O Ministério Público Federal pedirá a condenação a 12 anos de prisão da ex-diretora da Anac Denise Abreu e de dois dirigentes da TAM – Alberto Fajerman e Marco Aurélio Castro -, sob a acusação de provocar a tragédia com o Airbus A320, que matou 199 pessoas em 2007. (Págs. 1 e Cidades C3)

Gasto de Cabral com publicidade cresce 116% (Págs. 1 e Nacional A8)

INSS vai pagar revisão a 117 mil aposentados (Págs. 1 e Economia B7)

Importação de carros vai bater recorde

A importação de automóveis em 2011 será a maior da história da indústria automobilística brasileira. A participação nas vendas, que era de 5% em 2005, deve chegar a 23%, segundo a Anfavea. Para analistas, o índice pode atingir 27% – ou 1 milhão de veículos. Metalúrgicos temem pelos empregos. (Págs. 1 e Economia B1)

Dora Kramer

O bônus da prova

Se não demitir Luiz Antonio Pagot, a presidente Dilma Rousseff reconhece que estava errada, que foi injusta e precipitada – para não dizer leviana. (Págs. 1 e Nacional A6)

Irmão do presidente do Afeganistão é morto (Pág. 1 e Internacional A17)

Roberto DaMatta

A questão dos limites

Ser o republicanismo da Revolução Francesa se funda na igualdade perante a lei, o estilo brasileiro de exercer o poder é aristocrático e hierárquico. (Págs. 1 e Caderno 2 D10)

A. Charai E. J. Braude

O modelo do Marrocos

Referendo constitucional pode levar o país a assumir papel de líder regional (Págs. 1 e Visão Global A16)

Notas & Informações

O nebuloso desfecho da crise

Como ficará a presidente se surgir algo que exponha o novo ministro pessoalmente? (Págs. 1 e A3)
————————————————————————————

Correio Braziliense

Manchete: Cara Brasília

Custo de vida na capital da república é o terceiro que mais sobe no mundo (Págs. 1 e 21)

Dinheiro extra para aposentados

Reforço nos contracheques de agosto para milhares de segurados do INSS. Além da primeira parcela do 13º salário, os pensionistas que ganharam na Justiça a correção dos benefícios vão receber o reajuste e parte dos atrasados. O total de pagamentos, liberados em setembro, será de R$ 10 bilhões. (Págs. 1 e 11)

GDF quer carro zero livre do IPVA

Quem comprar carro novo no DF a partir de janeiro terá isenção do imposto no primeiro ano do veículo. O projeto deve ser votado em regime de urgência pela Câmara Legislativa. Autor da proposta, o governo calcula que o abatimento será compensado com aumento de arrecadação no ICMS e cobrança de IPVA maior nos anos seguintes. (Págs. 1 e 22)

Senado lança edital de concurso até setembro

O número de vagas e as áreas da seleção ainda estão indefinidos, mas o certame vai incluir cargos de níveis técnico, médio e superior, com salários de R$ 13,2 mil a R$ 22,6 mil. (Págs. 1 e 12)

O dia do bolo

Do PMDB, um mimo: o partido ofertou ao PT um bolo com as figuras de Dilma e Temer para celebrar a lua de mel com o governo. Enquanto isso, o PR – desgastado com a crise nos Transportes – deu um “bolo” diferente: boicotou reunião com a ministra Ideli Salvatti. E ameaça não ir a encontro com a presidente da República. (Págs. 1 e 2)

Pagot nega denúncias e avisa: segue no DNIT (Págs. 1 e 3)

————————————————————————————

Valor Econômico

Manchete: Diniz perde apoio para fusão com o Carrefour

O empresário Abílio Diniz perdeu o primeiro round na disputa para promover a fusão do Grupo Pão de Açúcar com o Carrefour no Brasil. Os dois principais financiadores, BNDES e o BTG Pactual, que juntos colocariam até R$ 4,5 bilhões na capitalização da empresa resultante da fusão, suspenderam sua participação na operação. As duas instituições financeiras tomaram essa decisão enquanto Diniz voava de volta de Paris, onde participou da reunião em que o board do Casino, seu sócio no Pão de Açúcar, rejeitou a operação.

O BNDES retirou o apoio de R$ 3,9 bilhões à operação porque havia se comprometido a só entrar no negócio se os sócios estivessem de acordo. Diante do enfraquecimento do negócio pela saída do BNDES, o BTG Pactual decidiu “suspender temporariamente” a proposta, que tinha validade de 60 dias, até 26 de agosto. O BTG Pactual foi oficialmente o formulador da proposta e forneceria R$ 690 milhões como aporte de capital e ainda mais R$ 1,150 bilhão em empréstimos. (Págs. 1 e D1)

Comércio resiste mais à desaceleração

O cruzamento de dados mostra que a desaceleração da atividade econômica é muito mais resistente no comércio do que na indústria. O ritmo de expansão anual na fabricação de bens de consumo caiu de 6,4% no fim de 2010 para 2,3% nos 12 meses até maio. As vendas do comércio em volume, na mesma comparação, passaram de 12,2% para 10,5%.

A interpretação dos resultados divide os analistas. Alguns veem as vendas como sinal de um mercado ainda aquecido e sugerem mais aumentos de juros básico. Outros consideram que as medidas macroprudenciais do Banco Central já fazem efeito sobre o varejo, o que dispensaria maior aperto monetário. (Págs. 1 e A3)

Crise chega perto da Itália e ameaça zona do euro

A incapacidade das autoridades europeias de definirem um novo pacote de ajuda para a Grécia e o fato de economias maiores como Espanha e Itália estarem sendo empurradas ainda mais para a crise podem marcar o início do fim da zona euro na sua forma atual, acreditam analistas. Os crescentes sinais de contágio indicam que mesmo se os problemas da Grécia forem atenuados, podem não ser suficientes para evitar o aprofundamento da crise da dívida soberana iniciada em 2009. Uma solução para a Grécia dificilmente poderá ser usada para a Espanha e Itália, concordam economistas.

Ontem, o custo de captação da Itália disparou para seu patamar mais elevado em mais de uma década, em meio à alta volatilidade das transações, uma vez que o contágio pela Grécia obrigou Silvio Berlusconi a fazer um apelo em favor da unidade nacional e de “sacrifícios” para reduzir o grau de endividamento do país. Para o economista Giuseppe Ferraguto, professor de macroeconomia na Universidade Bocconi, uma das mais respeitadas do continente, a equação é simples: “Se a Itália resiste, resistem também o euro e toda a União Europeia”. (Com Financial Times) (Págs. 1, C2, C4 e C8)

Foto legenda: Na onda do pré-sal

A Queiroz Galvão Exploração e Produção, braço da construtora em petróleo e gás, investiu US$ 700 milhões para expandir seus negócios e retomar o posto de quarta maior produtora do Brasil em 2011. Com dinheiro em caixa, a empresa procura novos ativos, diz Jose Fernandes Filho, presidente. (Págs. 1 e B7)

Mais armas para o BC atuar no câmbio

O Federal Reserve americano decidiu manter as taxas de juros muito baixas ainda por “longo período”, segundo a ata de sua última reunião, e, com isso, continuará no horizonte do Brasil um ingresso maciço de capitais externos em busca da boa rentabilidade. O Banco Central brasileiro reduziu a posição vendida dos bancos no mercado à vista na sexta-feira e pode ampliar a taxação das operações de investidores estrangeiros na BM&F.

Um estudo de dez técnicos do Fundo Monetário Internacional sobre políticas para atenuar impactos adversos dos fluxos de capitais sugere que há mais munição disponível para o BC reduzir a capacidade dos bancos de aumentarem suas apostas em dólares. Entre elas: taxação das margens, taxação e limitação das posições brutas em derivativos. (Págs. 1, C1 e C2)

Reforma simultânea de seis códigos traz riscos

O crescimento econômico incentivou uma revisão geral dos códigos brasileiros. Nada menos que seis deles estão em processo de alteração no Congresso, a maior parte apresentada nos últimos dois anos: os que tratam do processo civil e penal, das relações comerciais e de consumo, além de áreas mais específicas, como a eleitoral e a florestal. A peculiaridade é que não se trata de alteração pontual das leis. Está surgindo um movimento mais amplo de recodificação das normas atuais.

“O Brasil alcançou um patamar econômico novo, que demanda uma revisão de todo o aparato jurídico”, defende o jurista Fábio Ulhoa Coelho, autor da minuta que serviu de base para o projeto de um novo Código Comercial, apresentado ao Congresso no mês passado. A proposta é defendida por organizações empresariais, como a Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp) e a Confederação Nacional da Indústria (CNI), para quem, nesse novo contexto econômico, seria preciso desburocratizar os negócios, proteger o empresário competitivo e dar maior força aos contratos. (Págs. 1 e E1)

Cade deve suspender venda e extinção da marca Webjet

O Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) pretende suspender temporariamente a compra da Webjet pela Gol, anunciada na semana passada. O objetivo é preservar as condições atuais de concorrência no setor, em que as companhias atuam separadas. Essa situação será mantida até que o Cade tenha condições de fazer uma avaliação dos efeitos da aquisição da Webjet sobre os consumidores, as outras companhias aéreas e o mercado de aviação. Até agora, Gol e Webjet não entregaram à Anac os documentos para análise do negócio. Com a suspensão, a Gol deve ser proibida de cancelar a marca Webjet, decisão vista com preocupação pelo Cade.

Ontem, a presidente Dilma Rousseff defendeu a adoção de subsídios para a aviação regional. Segundo ela, até o fim do ano o governo deverá ter uma proposta de desenvolvimento do setor. O plano do governo de lançar um projeto de fomento à aviação regional, por meio de subsídios cruzados, é defendido pelo ministro da Defesa, Nelson Jobim. O plano do governo é o de reduzir a quantidade de assentos subsidiada, conforme o aumento natural do fluxo de passageiros das rotas. O que não havia sido definido ainda era a fonte de recursos para financiar os subsídios cruzados. Jobim defendia que esse plano não onerasse ainda mais o passageiro, como acontece na aviação comercial desde 1989. (Págs. 1 e B1)

Passos diz que vai mudar licitações nos Transportes (Págs. 1 e A7)

Conta adicional da Previdência

A partir de setembro, uma conta mensal de R$ 28 milhões será incorporada no orçamento da Previdência Social, referente ao custo adicional de benefícios, com valores revisados, para 117,1 mil contribuintes. (Págs. 1 e A3)

Dinheiro para os Estados

O Fundo de Participação dos Estados (FPE) precisa ser reformado até dezembro de 2012 para não ser extinto por decisão do Supremo Tribunal Federal, que considerou inconstitucional o critério de repartição dos seus recursos. (Págs. 1 e A12)

Software de comércio eletrônico

A VTEX, empresa brasileira de softwares para o comércio eletrônico, iniciou projeto de expansão que tem por meta multiplicar o faturamento da companhia para R$ 100 milhões até 2015. (Págs. 1 e B2)

Recuperação do setor de imóveis

Embora ainda apresentem uma queda considerável em relação ao ano passado, as vendas e os lançamentos imobiliários em São Paulo mostraram um início de recuperação em abril e maio na comparação com o primeiro trimestre. (Págs. 1 e B8)

Grãos em alta

Com as novos números de oferta e demanda do Departamento de Agricultura dos Estados Unidos (USDA), o mercado deixa de lado o pessimismo e voltou a apostar na escassez, elevando os preços dos grãos na Bolsa de Chicago. (Págs. 1 e B11)

MBA europeu

Apostando no crescimento da economia brasileira, a escola de negócios italiana Alma Graduate School, da Universidade de Bolonha, criou um MBA internacional voltado para as relações comerciais entre Brasil e Europa, informa o reitor, Massimo Bergami. (Págs. 1 e D10)

Ideias

Rosângela Bittar
Pelo que se vê, será interminável a sucessão de crises que não deixam o governo Dilma respirar e sair da defensiva. (Págs. 1 e A6)

Ideias

Martin Wolf
A zona do euro pode estar a beira de uma crise fiscal e financeira que destruirá até mesmo a união monetária. (Págs. 1 e A11)

————————————————————————————

Estado de Minas

Manchete: Nada mudou na BH dos flanelinhas

A atuação da prefeitura e da Polícia Militar não tem sido suficiente para controlar o domínio dos guardadores clandestinos de carros nas ruas de Belo Horizonte. Entre setembro de 2010 e o dia 8 deste mês, 332 flanelinhas irregulares foram detidos só na Região Centro-Sul, em cumprimento ao Código de Posturas. Mas eles voltaram às ruas e se integraram ao batalhão de 3mil ilegais que agem em toda a cidade. Fixam preço, ameaçam motoristas, danificam veículos e desafiam fiscais. (Págs. 1, 19 e 20)

Foto legenda: Savassi – R$ 200 milhões para Copa 2014

Depois de perder lojas e bares nos últimos anos para bairros como Belvedere e Lourdes, área tradicional da Região Centro-Sul de Belo Horizonte recebe investimentos de torres comerciais, expansão de shoppings e construções de hotéis, como o previsto para ocupar o terreno ao lado do Pátio Savassi, onde funcionava a Casa do Whisky. Beneficiados pelas obras de revitalização da região, empreendimentos estão previstos para serem inaugurados antes do Mundial. (Págs. 1 e 12)

Transportes: Novo ministro promete rigor em licitações

Paulo Sérgio Passos diz que pretende trocar nomes no ministério e reduzir aditivos nos contratos, com mais detalhes sobre obras para evitar reavaliação de preços. (Págs. 1 e 3)

Orçamento: Emendas para conter base aliada

Ministra das Relações Institucionais, Ideli Salvatti promete a líderes partidários a liberação de medidas a partir de agosto e contraria o Ministério da Fazenda. (Págs. 1 e 5)

Gigantes do varejo: Pão de Açúcar suspende fusão com Carrefour

Decisão foi tomada pelo empresário Abilio Diniz depois que conselho administrativo do Grupo Casino rejeitou oferta de compra. BNDES cancelou apoio à negociação entre as empresas. (Págs. 1, 15 e 16)
São Paulo e Rio mais caras que Londres e Paris

Combinação de real forte e alta no preço de serviços levou cidades brasileiras a ultrapassar, entre 2010 e este ano, grandes centros da Europa em ranking mundial que mede o custo de vida. (Págs. 1 e 14)
————————————————————————————

Jornal do Commercio

Manchete: Náutico tem batismo de G-4 (Pág. 1)

Fiança para poucos na nova legislação (Pág. 1)

Pagot inocenta e rasga elogios a Dilma Rousseff (Pág. 1)

Identificados os três culpados por acidente da TAM (Pág. 1)

Aposentados recebem metade do 13º em agosto (Pág. 1)

Estatuto da Criança e do Adolescente faz 21 anos (Pág. 1)

BNDES fora (Pág. 1)

————————————————————————————

Zero Hora

Manchete: Força-tarefa no Daer tira foco dos pardais

Relatório que será divulgado amanhã diz que autarquia não pode responder por contratos de prefeituras e aponta irregularidades em recuperação de rodovias. (Págs. 1 e 6)

Dilema: onde colocar os presos do Central

Governo promete 1,5 mil vagas no sistema,mas juíza se mostra descrente. (Págs. 1 e 34)

Sem aumento: Piratini tenta barrar reajuste para Judiciário

Líder do governo não concordou em levar a votação projeto que corrige salário em 12%. (Págs. 1 e Rosane de Oliveira, 10)

Ganho real

Aposentados poderão ter reajuste acima da inflação em 2012. (Págs. 1 e 17)
————————————————————————————

Brasil Econômico

Manchete: Diniz recua e prepara estratégia para salvar fusão com Carrefour

Conselheiros do Casino votaram contra negócio proposto por sócio do Pão de Açúcar, que também perdeu apoio do BNDES

Apesar do veto do Casino, da retirada da proposta da Gama/BTG Pactual e da saída do BNDES do negócio, disputa entre o grupo brasileiro e o rival francês pode estar longe do fim. Abilio Diniz teria optado por um recuo estratégico para esperar os ânimos se acalmarem e, em seguida, recorrer a um plano B. Uma das hipóteses seria a convocação de acionistas minoritários possuidores de ações ordinárias para reativar o plano de fundir suas operações no país com o também francês Carrefour.(Págs. 1 e P4)

Decisão do Cade prevista para hoje pode forçar BRF a se desfazer de marcas e a alterar logística. (Pág. 1)

Manobra da Petrobras contra dívida causa embate interno

A nova subsidiária Sete BR, que opera sondas, pode receber os 49 navios petroleiros contratados de estaleiros nacionais e funcionaria como um instrumento para reduzir a dívida de todo o sistema Petrobras. A Transpetro contesta a manobra, mas, segundo o diretor financeiro, Almir Barbassa, operação é vantajosa para todos. (Págs. 1 e P22)

Projeto que cria o Ministério da Microempresa não sai do papel. (Págs. 1 e P10)

Usada para mediar grandes negócios, arbitragem é plagiada país afora. (Págs. 1 e P28)

Seguro pirata causa prejuízo anual de R$ 3 bi e entra na mirada Susep. (Págs. 1 e P32)

Gestores aumentam apostas em ações

Responsáveis por gerir carteiras de milionários veem na queda da bolsa espaço para ganhos no segundo semestre. (Págs. 1 e P30)

Maurício Tolmasquim, da EPE, diz que governo quer flexibilizar regras para concessão de licença ambiental nas linhas de transmissão de energia. (Págs. 1 e P12)

Ambev cria divisão de esportes para cuidar dos investimentos na área do futebol e em negócios relacionados com a Copa de 2014 (Págs. 1 e P26)

Clipping Radiobrás

Portal Cambé, site de informações e serviços de Cambé – PR.

Responda

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.