Manchete nos Jornais para esta Quinta-Feira 15 de Março de 2012

64

Dilma não fará reforma trabalhista; Em reunião com as centrais sindicais, a presidente Dilma Rousseff disse que não faria mudanças para permitir, por exemplo, trabalho por hora. – Múltis sentem pressão dos salários na Ásia – IOF já afeta fluxo cambial e custo de exportador sobe – Procon bloqueia vendas de três dos maiores sites – Professores fazem paralisação para cobrar aplicação do piso nacional – TCU vê falta de transparência no Itamaraty – Partidos se unem para liberar candidatos com ‘conta suja’ – Poupança: juro pode cair abaixo de 6% …

O Globo

Manchete: Partidos se unem para liberar candidatos com ‘conta suja’

Ação propõe que políticos com gastos de campanha reprovados possa disputar eleição

Numa união insólita entre partidos governistas e de oposição, representantes de 18 legendas decidiram pedir ao Tribunal Superior Eleitoral que libere candidaturas de políticos que tiveram contas de campanha rejeitadas no último pleito. O TSE decidiu barrar os registros desses políticos, numa iniciativa que reforça a Lei da Ficha Limpa. O primeiro a recorrer da decisão foi o PT. Ontem, partidos como PMDB, DEM, PSDB e PP assinaram uma moção de apoio aos petistas e vão levar o caso ao TSE. Em apenas 3 estados – Rio, São Paulo e Minas -, 1.756 políticos tiveram contas reprovadas e estariam impedidos de concorrer. Os dirigentes partidários dizem que a proposta não prejudica a adoção da Ficha Limpa. Para especialistas, o TSE não deve ceder à pressão dos partidos, sob pena de prejudicar a lisura do pleito. (Págs. 1 e 3)

Dilma não fará reforma trabalhista

Em reunião com as centrais sindicais, a presidente Dilma Rousseff disse que não faria mudanças para permitir, por exemplo, trabalho por hora. (Págs. 1 e 24)

Poupança: juro pode cair abaixo de 6%

O governo prepara mudanças para as cadernetas em que os novos depositantes terão juros abaixo de 6% ao ano mais Selic, e não mais a TR. (Págs. 1 e 21)

EUA suspendem taxação sobre a laranja brasileira (Págs. 1 e 25)

Base aliada suspende votações no Congresso

Em meio ao clima de insegurança, depois que a presidente Dilma trocou seus líderes no Congresso, a base aliada suspendeu a votação de projetos como o Código Florestal e a Lei Geral da Copa. Há medo de traições e de derrota. O PR no Senado anunciou que virou oposição porque não conseguiu de volta a pasta dos Transportes. (Págs. 1, 10 e 11)

MEC admite muito atraso em creches

O ministro Aloizio Mercadante disse que só 7% das unidades previstas em programa federal funcionam. Ele anunciou também mudanças no Enade, avaliação do ensino superior, para evitar fraudes. (Págs. 1 e 13)

Plataformas: 4 acidentes a cada dia

Na Bacia de Campos, onde a plataforma SS-39 adernou anteontem, ocorreram quatro acidentes por dia no ano passado, segundo levantamento do Sindicato dos Petroleiros do Norte Fluminense. (Págs. 1 e 23)

TCU vê falta de transparência no Itamaraty

O Tribunal de Contas da União apontou falhas em contratos, gastos e prestação de contas de representações diplomáticas. Para o TCU, o Itamaraty é pouco transparente. (Págs. 1 e 12)

Americanas.com na mira da Justiça de Rio e São Paulo (Págs. 1 e 27)

CML investiga “enxoval” de recruta no IME

Por ordem do general Adriano Pereira Junior, chefe do Comando Militar do Leste (CML), uma sindicância já está investigando exigências do IME a recrutas, como “enxovais” que incluem até rolo de papel higiênico. (Págs. 1 e 17)
————————————————————————————

O Estado de S. Paulo

Manchete: Após troca de líderes, Dilma perde apoio do PR no Senado

‘Cansei. PT saudações’, diz o líder do partido, Blairo Maggi; rebelião atrasa votação de projetos importantes

Menos de 24 horas depois de inflamar a base aliada com a troca de líderes no Congresso, a presidente Dilma Rousseff perdeu o voto dos sete senadores do PR no Senado, um prejuízo equivalente a quase 10% dos 81 senadores. “Nossa posição é não mais apoiar nem acompanhar o governo no dia a dia”, disse o líder do partido no Senado, Blairo Maggi (MT), até então cotado para o Ministério dos Transportes, à ministra Ideli Salvatti (Relações Institucionais). “Estamos há nove meses conversando. Cansei. ‘PT saudações’.” Com a rebelião na base, a votação de projetos importantes, como o novo Código Florestal e a Lei Geral da Copa, deve demorar “até que choques políticos dos últimos dias passem”, disse o deputado Lúcio Vieira Lima (PMDB-BA). (Págs. 1 e Nacional A4)

Blairo Maggi
Líder do PR no Senado

“Nós, do Senado, não queremos mais negociar com o governo. Vocês resolvem a vida de todo mundo e não resolvem a nossa”. (Pág. 1)

Ministra articulou mudança

A ministra Ideli Salvatti (Relações Institucionais) foi uma das idealizadoras da troca de líderes no Congresso, considerada um desastre pelos partidos aliados. Eles se queixam de que Ideli tem sido intransigente. (Págs. 1 e Nacional A4)

BB e Caixa vão baixar tarifas para pressionar banco privado

Bancos públicos estão acertando com o governo detalhes de uma ação agressiva para tentar tirar clientes dos concorrentes. Banco do Brasil e Caixa Econômica Federal, que detêm 30% do mercado, querem atrair contas e, principalmente, operações de crédito. Para isso, prometem tarifas e taxas de juros ainda mais baixas. O governo pretende, além de incentivar o crédito para acelerar a atividade econômica, criar mais concorrência no sistema bancário. (Págs. 1 e Economia B1)

Foto legenda: Um dia difícil no metrô

Na estação Barra Funda, passageiros aguardam para embarcar, em meio a uma das quatro panes no metrô e nos trens da CPTM pela manhã; as empresas dizem que as falhas estão em níveis aceitáveis, mas reconhecem que a superlotação eleva o impacto. (Págs. 1 e Cidades C1)

General critica processo por desaparecidos e vê ‘revanchismo’

Líder do manifesto dos militares da reserva com críticas a integrantes do governo que contestam a Lei de Anistia, o general Marco Antonio Felício criticou a decisão do Ministério Público de denunciar o coronel Sebastião Curió por crimes no Araguaia. Felício disse a repórter Tânia Monteiro que a comissão da verdade será “a comissão do revanchismo e da inverdade”. (Págs. 1 e Nacional A12)

MEC muda Enade para evitar fraudes

O MEC alterou as regras do próximo Exame Nacional de Desempenho dos Estudantes (Enade). A mudança vem após denúncia feita pelo Estadão.edu de que a Unip usava artifícios para melhorar a nota da instituição. (Págs. 1 e Vida A27)

Procon bloqueia vendas de três dos maiores sites (Págs. 1 e Economia B17)

Barack Obama e David Cameron

Relação duradoura

A aliança entre EUA e Grã-bretanha é uma parceria de corações unidos. Contamos um com o outro e o mundo conta com a nossa união. (Págs. 1 e Visão Global A20)

Celso Ming

Sobrou para o gavião

Mantega disse que às vezes atira no urubu e pega também o gavião. Algumas medidas do governo tendem a causar mais estragos em vez de curar. (Págs. 1 e Economia B2)

Notas & Informações

O governo e a guerra dos portos

A guerra dos portos adotada por governadores resulta no solapamento da indústria nacional. (Págs. 1 e A3)
————————————————————————————

Correio Braziliense

Manchete: Carta aberta à Unesco

Srs. Carlos Sambrício e Luís Maria Calvo

Ao criar Brasília, Lucio Costa idealizou uma cidade democrática, onde os cidadãos pudessem circular sem barreiras, grades ou muros. O projeto inovador a transformou em um ícone da arquitetura moderna e levou a Unesco à concessão, 25 anos atrás, do título que muito nos orgulha. Hoje, o Correio aponta abusos que ameaçam a concepção original da capital da República. E faz um apelo aos senhores: durante essa visita, voltem seus olhares para os problemas que tanto nos atormentam. Mas, acima de tudo, ajudem a mobilizar a sociedade e o governo para preservar esse patrimônio que não é só nosso, mas de toda a humanidade. (Págs. 1, 27 e 28)

PR deixa base aliada e fará oposição (Págs. 1, 2 e 3)

Confusão total na Lei da Copa

Mal-entendido entre governo e base aliada retira bebida alcoólica do texto, votação é adiada e Planalto convoca reunião. Ministro do Esporte entra em cena e avisa: o país se comprometeu com a venda desses produtos. (Págs. 1 e Super Esportes, 5)

Enade amplia avaliação dos universitários (Págs. 1 e 12)

Servidores: Aumento? Só para a chefia

Enquanto o governo fecha o cofre para a categoria, a Secretaria Nacional do Tesouro arruma brechas para engordar os salários das chefias. Há gente embolsando R$ 51 mil mensais. (Págs. 1 e 14)

Contravenção: Cachoeira na mira de Gurgel

Procurador-geral da República vai investigar relações do senador Demóstenes Torres com Carlinhos Cachoeira. A PF indiciou o bicheiro e mais 81 pessoas por envolvimento com jogos ilegais. (Págs. 1 e 4)
————————————————————————————

Valor Econômico

Manchete: IOF já afeta fluxo cambial e custo de exportador sobe

O cerco promovido pelo governo aos ingressos de recursos externos elevou o custo de financiamento dos exportadores que recorrem ao Adiantamento de Contrato de Câmbio (ACC), reduziu a entrada de dólares em algumas linhas alvos da elevação do IOF e estimulou a procura de formas de burlar o imposto. Por exemplo, os bancos locais “desenterraram” um modelo de operação de financiamento às exportações regulamentado em 1975, pela Lei 6.313, a Cédula de Crédito à Exportação ou Nota de Crédito à Exportação.

Dois movimentos reforçaram a demanda por ACCs que acabaram aumentando seu custo. Um deles é o temor de que novas medidas acabem impondo restrições a essa linha. O outro é a desvalorização do real, que atrai mais operações. Entre janeiro e fevereiro, o movimento de ACCs foi de US$ 6,9 bilhões, com uma média diária de US$ 168 milhões. Na segunda semana de março, a média subiu para US$ 284 milhões. (Págs. 1 e C14)

Dilma exige preço menor de energia

A presidente Dilma Rousseff quer uma redução de dois dígitos nas tarifas de energia para oficializar a decisão, já praticamente tomada, de prorrogar as concessões de energia elétrica que expiram a partir de 2015.

Algo entre 6% e 7% da conta de luz se refere ao uso da rede de transmissão. Para evitar a criação de distorções no preço da energia vendida livremente pelas geradoras no mercado, uma das alternativas em estudo é que as usinas continuem vendendo pelo mesmo valor. A diferença entre o preço de venda e o custo de geração, já descontados os investimentos amortizados, seria alocada para bancar os R$ 7 bilhões por ano que os consumidores finais pagam pelo uso da rede. (Págs. 1 e A3)

Venda casada de seguros na mira do Cade

O Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) determinou que a Secretaria de Direito Econômico (SDE) investigue a prática de venda casada pela qual o Banco do Brasil só estaria concedendo crédito rural se o produtor adquirir o seguro rural. Advogados do BB e da Mapfre, que se associou ao banco estatal, negaram a prática.

A SDE também vai apurar se as resseguradoras estão cobrando taxas indevidas de corretagem em seguros obrigatórios e burlando a restrição para transferências de risco entre empresas do mesmo grupo. (Págs. 1 e C7)

Múltis sentem pressão dos salários na Ásia

Mais governos asiáticos estão pressionando empresas a aumentar os salários como forma de evitar conflitos trabalhistas, o que pode levar a um salto nos custos industriais de multinacionais – e nos preços dos produtos que elas vendem em todo o mundo. Essas companhias, que já começaram a enfrentar custos trabalhistas mais altos na China, viram a pressão intensificar-se também em países do Sudeste Asiático que pareceram alternativas para empresas que buscam escapar do aumento de custos chineses. (Págs. 1 e B9)

Poluição do ar volta a ser uma ameaça para Cubatão

Vinte anos após receber da ONU o “selo verde” como símbolo de recuperação ambiental, Cubatão (SP) volta a ser ameaçada pela poluição. Congestionamentos recorrentes de caminhões e o avanço das atividades de apoio à operação portuária na cidade elevaram a emissão de material particulado no ar. A ameaça é menos intensa que no passado, quando a cidade foi classificada como a mais poluída do mundo e os níveis de emissões de seu polo industrial chegaram a 363 mil toneladas ao ano, quase mil toneladas por dia.

Cubatão é a única cidade cortada pelas quatro rodovias do sistema Anchieta-Imigrantes. Com o aumento do comércio exterior e praticamente a mesma infraestrutura de acesso à região, os congestionamentos se tornaram rotina. O tráfego de caminhões chegou a 6,7 milhões no ano passado e é sobre rodas que 85% das cargas movimentadas chegam ao porto de Santos. (Págs. 1 e A16)

Empresas ainda buscam virada no Supremo

O setor empresarial tenta uma última estratégia no Supremo Tribunal Federal (STF) na disputa bilionária sobre a tributação do lucro de controladas no exterior. Está na pauta de julgamento de hoje na Corte a ação da Confederação Nacional da Indústria (CNI) contestando essa cobrança. Faltando apenas um voto, o do ministro Joaquim Barbosa, o placar favorece a União. Diante desse cenário, a CNI pedirá ao Supremo que decida, primeiro, um outro processo sobre o mesmo assunto, envolvendo a Embraco. A intenção é testar a atual composição do Supremo – quatro cadeiras foram alteradas desde que a votação começou, uma década atrás. Somente a Vale discute a tese em processos que somam R$ 30,5 bilhões. Se saírem derrotadas na ação da CNI, as empresas insistirão em outro argumento: o de que a cobrança é proibida por tratados internacionais de bitributação. (Págs. 1 e E1)

Foto legenda: No poder

Eleito ontem presidente do Supremo Tribunal Federal, Carlos Ayres Britto é um dos ministros mais rigorosos com os políticos na história recente da Corte e pode comandar o julgamento do mensalão. Natural de Propriá (SE), é conhecido também pelos votos com versos e trocadilhos. (Págs. 1 e A7)

Crédito continua escasso em Portugal e na Espanha (Págs. 1 e B9)

Mudança nas regras da poupança fica para 2013, a fim de evitar ano eleitoral (Págs. 1 e C9)

Wen Jiabao adverte conservadores sobre necessidade de reforma política na China (Págs. 1 e Al3)

‘Lei Seca’ na Copa

O relator da Lei Geral da Copa, Vicente Cândido (PT-SP), vai retirar de seu parecer a liberação de bebidas alcoólicas nos estádios durante o evento. Segundo o deputado, o governo teria “mudado de posição”. (Págs. 1 e A6)

Seae vê concentração em exames

A Secretaria de Acompanhamento Econômico (Seae), do Ministério da Fazenda, emitiu parecer recomendando a aprovação, com restrições, da fusão entre a Dasa e a rede de laboratórios MD1. (Págs. 1 e B4)

Viracopos terá projeto holandês

A holandesa Naco foi escolhida pelo consórcio Aeroportos Brasil para realizar o projeto de Viracopos, em Campinas (SP). O plano geral ainda não está definido, mas prevê um terminal ferroviário de passageiros. (Págs. 1 e B6)

Carros importados desaceleram

As vendas de automóveis das importadoras independentes caíram 8,2% no mês passado, em relação a janeiro, e 12,3% na comparação anual. No momento, as empresas consomem as últimas unidades importadas no ano passado, ainda com IPI menor. (Págs. 1 e B7)

Braskem aposta em plástico verde

A Braskem, braço petroquímico do grupo Odebrecht, deve submeter ao conselho de administração um projeto para construção de uma fábrica de polipropileno verde. Os investimentos iniciais estão estimados em R$ 170 milhões, diz o presidente da empresa, Carlos Fadigas. (Págs. 1 e B8)

EUA retiram sobretaxa no suco

Os EUA anunciaram ontem o fim das medidas antidumping contra o suco de laranja brasileiro. Embora positiva, a medida é praticamente simbólica e não terá impacto significativo nas exportações. (Págs. 1 e B11)

Mercosul e as commodities

Estudo da consultoria Bain & Company prevê que, até 2050, Brasil, Argentina e Paraguai vão duplicar a produção conjunta de soja, açúcar, trigo, arroz e milho, para 522 milhões de toneladas, o que deverá representar 15% do total mundial. (Págs. 1 e B12)

Ideias

Ribamar Oliveira

Valorização do magistério deve ser prioridade nacional, mas compatível com o equilíbrio das contas públicas. (Págs. 1 e A2)

Ideias

Raghuram Rajan

Os parlamentares parecem realmente importar-se mais com seus eleitores de menor renda do que no passado. (Págs. 1 e A15)
————————————————————————————

Jornal do Commercio

Manchete: Luta contra o crack terá nova ofensiva

Plano é o quarto anunciado em menos de dois anos. Agora, serão investidos no Estado R$ 74 milhões no sistema de saúde, R$ 4,8 milhões em prevenção e R$ 5,5 milhões na repressão ao tráfico. (Págs. 1 e Cidades 4)

Estado corta ponto de professor

Governo diz que já vai pagar piso este mês e descontará dias parados de quem aderir à greve nacional. (Págs. 1 e Cidades 1)

Quatro milhões de cigarros apreendidos em Chá Grande, Agreste (Págs. 1 e Economia 5)

Crise no Planalto

Senadores do PR deixam base aliada. E Collor faz alerta a Dilma para dialogar com o Congresso. (Págs. 1, 5 e 8)
————————————————————————————

Zero Hora

Manchete: Porto Alegre, 14 de março: 66 mm

Em apenas cinco horas, das 8h às 13h, o volume de chuva na Capital somou 63% do esperado para o mês. A rotina dos moradores, descrita nas redes sociais, ficou de pernas para o ar. (Págs. 1, 4, 5, 6, 10, Editoriais, 18 e Iotti,19)

Copa 2014: Álcool nos estádios fica de fora da lei

Líderes governistas adiam decisão. (Págs. 1 e 43)

Bancos oficiais: Ofensiva para baixar o juro no crédito

Iniciativa de Caixa e BB é parte de ação do governo. (Págs. 1 e 20)
————————————————————————————

Brasil Econômico

Manchete: Projetos de R$ 1,3 bilhão do setor hoteleiro não saíram do papel

Um dos principais gargalos para grandes eventos como a Copa do Mundo, a oferta de leitos pode se transformar em pesadelo. Dos R$ 4,2 bilhões que seriam investidos na construção de novos hotéis, cerca de 35% não receberam o pontapé inicial. (Págs. 1 e 16)

Brasil e México fecham novo acordo automotivo

Agora, o limite de importação de automóveis será definido anualmente, de acordo com a média dos três anos anteriores. Para 2012, o limite não poderá ultrapassar US$ 1,4 bilhão. (Págs. 1 e 40)

Dilma se aproxima dos sindicalistas

Em crise com os políticos, presidente tenta uma aproximação com as centrais sindicais. (Págs. 1 e 6)

Santorum embola eleição americana

Vitória nas primárias de terça-feira dá fôlego aos republicanos conservadores. (Págs. 1 e 36)

“Somos empresa de tecnologia, que, por acaso, tem cartão”

É assim que Richard Hartzell, presidente da MasterCard na América Latina, define a companhia em entrevista ao BRASIL ECONÔMICO. (Págs. 1 e 30)

Para enfrentar fúria chinesa,Grendene vai para o exterior

Marca brasileira aumentará as exportações de calçados mais sofisticados para tirar mercado dos fabricantes asiáticos. (Págs. 1 e 26)

Nova Revolução Cultural?

Wen Jiabao, primeiro-ministro chinês, advertiu que o país corre riscos se não fizer reformas. (Págs. 1 e 38)

Paulo Leme, o homem do “lulômetro”

O criador do termo, que alimentou o pânico do mercado diante da eleição de Lula, assume o Goldman no Brasil. (Págs. 1 e 31)
Clipping Radiobrás

Edição: Equipe Fenatracoop



Portal Cambé, site de informações e serviços de Cambé – PR.


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *