Beto Richa em lançamento de campanha em Londrina. Foto: Divulgação

O Ministério Público paranaense ofereceu, nesta terça-feira, à Justiça Estadual a denúncia de 13 pessoas envolvidas na Operação Rádio Patrulha, que investiga o pagamento de propina e desvios milionários em um programa estadual de manutenção de estradas rurais.

O coordenador do Gaeco Estadual, Leonir Batisti, afirma que a denúncia foi apresentada ao Juiz da 13ª Vara Criminal de Curitiba pelo Núcleo Regional do Gaeco na capital do estado e trata de crimes como corrupção passiva e ativa, organização criminosa, fraude a licitação e peculato, entre outros.

Além do ex-governador Beto Richa, são denunciados pelo Ministério Público, mais 12 pessoas, entre elas o irmão dele, o ex-secretário Estadual de Infraestrutura, Pepe Richa, o ex-secretário de Assuntos Estratégicos, Edson Casagrande, o ex-chefe de gabinete de Richa, Deonilson Roldo, o primo do ex-governador, Luiz Abi Antoun, e os empresários Joel Malucelli e Antônio Celso Frare.

Na denúncia, os promotores afirmam que nas eleições de 2010, Richa apresentou, entre suas propostas como candidato para a área de infraestrutura e logística e gestão de microbacias, um projeto de implantação de “patrulhas mecanizadas” para a recuperação de estradas rurais.

A denúncia relata ainda que no segundo semestre de 2011, os empresários Frare e Malucelli prometeram ao, agora, governador, a Deonilson Roldo, a Pepe Richa e a Luiz Abi, o pagamento de propina para que fossem contratadas três empresas, a Ouro Verde Transporte e Locação, a Cotrans Locação de Veículos e a J. Malucelli Equipamentos, em troca de participação no programa.

Segundo a denúncia, o intermediário das conversas com Richa era o empresário Tony Garcia, que, segundo o Gaeco, já tinha uma relação de amizade com o ex-governador e o procurou logo depois da eleição para tratar do assunto. Mas Richa teria dito que só conversaria sobre o tema após a posse. Garcia se tornou um dos colaboradores na investigação.

Ainda segundo a denúncia do MP, assim que o programa de revitalização foi viabilizado, o chefe de gabinete do ex-governador teria atuado junto à Secretaria de Fazenda para que fossem disponibilizados recursos para o Programa e o grupo, então, começou a tratar dos termos da licitação.

O acordo, segundo o MP, era de que a empresa de Malucelli dividisse o programa com a COTRANS e a OURO VERDE. A denúncia também afirma que Luiz Abi Antoun, apesar de não ter cargo público, era uma das figuras mais influentes na cúpula do governo estadual.

A esposa do ex-governador, Fernanda Richa, que também chegou a ser presa pela Operação, e o contador da família, Dirceu Pupo Ferreira, não foram denunciados pelo Ministério Público. O coordenador do Gaeco Estadual afirma que existe a necessidade de novas investigações e que, por prudência, os dois ficaram de fora da denúncia, pelo menos por enquanto.

Leoni Batisti não descarta a participação de outras pessoas nos crimes investigados pela Operação Rádio Patrulha.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.