Paraná se destaca ao ter a primeira cidade interativa do Brasil

0
PixaBay
A Podologia Cambé esta instalada no Centro Comercial Canadá Localizado na Rua Holanda, 263 esquina com a Av Canada, Sala 311 no centro de Cambé, telefone: (43) 3254-7433 e WhatsApp: (43) 9.9918-7889
A Podologia Cambé esta instalada no Centro Comercial Canadá Localizado na Rua Holanda, 263 esquina com a Av Canada, Sala 311 no centro de Cambé, telefone: (43) 3254-7433 e WhatsApp: (43) 9.9918-7889

Após ser nomeada a cidade mais inteligente do Brasil, mais uma vez a capital paranaense inova ao investir em um projeto inédito, que utiliza soluções de internet das coisas para conectar as pessoas com os espaços urbanos.

A iniciativa é capitaneada pela startup curitibana MCities, que desenvolveu o conceito de Cidade Interativa. Nela, as plataformas tecnológicas de conectividade transformam os espaços em ambientes de experiências de alto valor agregado e não apenas de concentração humana. É a cidade que fala e interage com as pessoas por meio QRCodes, MBeacons e realidade aumentada, tornando-se mais atrativa para turistas e moradores.

Segundo o fundador e CEO da MCities, Paulo Hansted, a tecnologia foi aplicada para empoderar as pessoas e inspirá-las a conhecer a cidade. E, o mais importante, como investimento para girar a economia local. “Ao incrementar as vendas do comércio e do setor de serviços, gera-se mais renda e oportunidades de emprego. Isso é melhoria de qualidade de vida à população”, explica.

A Prefeitura e a MCities fecharam a parceria no início do ano e em outubro o projeto começou a ser colocado em prática em um local de grande movimento em Curitiba, a Alameda Prudente de Moraes. Ele envolve 7 mecanismos de interatividade e inteligência integrados para conectar pessoas e a cidade: plataforma móvel, web, redes sociais, QRCodes, beacons, rotas virtuais e eventos de intervenção urbana.

Como exemplo prático, os beacons (pequenos dispositivos de localização), transmitem pelo Bluetooth para os smartphones informações sobre o que há de interessante na alameda e em outras partes da cidade, sem a necessidade de baixar qualquer aplicativo. Quem passa pelo local é convidado por três estabelecimentos a provar seus cardápios secretos, exclusivos para quem recebeu a mensagem. É a rua dialogando proativamente com as pessoas.

Já os QR Codes foram instalados em muros e fachadas da alameda. Ao acioná-los, as pessoas têm acesso a uma galeria virtual com a exposição fotográfica produzida por Daniel Castellano em homenagem à rua.

Paulo Hansted destaca que um dos aspectos mais importantes do projeto é o fato de humanizar a tecnologia. “Ao contrário do que vem acontecendo, usamos os dispositivos para conectar as pessoas com as experiências do mundo real. “O objetivo é valorizar as relações humana, a interatividade, fora do ambiente virtual. É dar vida às cidades, às ruas, por meio de mecanismos tecnológicos”, explica.

O investimento no sistema inteligente de interatividade gera para os grandes centros urbanos mais do que impactos socioeconômicos. Além do crescimento econômico, geração de empregos e novos negócios, o projeto da MCities aumenta a satisfação de viver na cidade e o diálogo com a comunidade, fazendo renascer o sentimento de pertencimento dos habitantes. “Ao mesmo tempo, valoriza os ativos públicos, o que pode diminuir o vandalismo. Sem contar que o local se torna referência em inovação”, diz Paulo.

Nos próximos meses o sistema MCities será ampliado em Curitiba e até o primeiro semestre de 2019 chegará a São Paulo, Rio de Janeiro, Brasília, Salvador, Recife e Belém.

A presidente da Agência Curitiba, órgão ligado à Prefeitura e responsável pela política de inovação da cidade, Cris Alessi, afirma que o projeto-piloto mais uma vez coloca a capital paranaense na vanguarda de adoção de soluções inovadoras de cidades inteligentes.

Outro aspecto importante é que, no futuro próximo, o projeto poderá ser usado em outras áreas e serviços da cidade. “No turismo, por exemplo, a tecnologia permitiria a transmissão de informações relevantes sobre determinado espaço turístico diretamente ao smartphone do visitante. Seria possível ainda criar uma interatividade até com os serviços públicos”, prevê a presidente da Agência Curitiba.

“Desde o início da gestão do prefeito Rafael Greca, Curitiba tem apoiado empreendedores que buscam criar soluções agregando o uso de tecnologias atuais e de fácil acesso pelo cidadão. O projeto-piloto da MCities segue este conceito, permitindo que as pessoas participem de forma ativa e colaborativa nas ações realizadas na cidade”, finaliza.

MCities

A receita da startup curitibana é obtida com os anúncios veiculados na plataforma digital e com eventos promovidos por toda a cidade, como intervenções urbanas.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.