Proposta prevê financiamento com juro baixo para setor pesqueiro

0

Projeto de lei (PL 7714/10) beneficia o setor pesqueiro com financiamentos de juro baixo. A proposta estende a armadores, empresas de navegação e embarcações de pesca os benefícios tributários previstos no programa de apoio ao desenvolvimento da Marinha Mercante, criado em 1997.

O autor, deputado Beto Faro, do PT do Pará, disse que apresentou o projeto porque considerou altos os juros do Profrota, Programa Nacional de Financiamento da Ampliação e Modernização da Frota Pesqueira, criado em 2004.

Apesar de reconhecer a importância do Profrota para desenvolver o setor pesqueiro nacional, o parlamentar considera insuficientes os recursos e incentivos previstos no programa.

O projeto de lei estabelece que o financiamento oficial à empresa terá taxa de juros semelhante à da embarcação para exportação.

Além disso, assegura a contratação, no mercado internacional, de cobertura de seguro e resseguro de cascos e máquinas, desde que o mercado interno não ofereça tais coberturas.

Fabrício Nazaré de Assis, da Cooperativa de Pescadores de Camaçari, na Bahia, afirmou que o setor pesqueiro no estado está paralisado e destacou a importância do financiamento com juros especiais.

“Olhe bem, na Bahia nesse momento não existe pesca. A Bahia ainda importa muito peixe, a quantidade de pesca não mantém aqui a quantidade dos consumidores. A gente, pela cooperativa, nós fazemos a parte do programa do governo federal, através do MPA, que é o Ministério da Pesca, do Profrota Pesqueiro, onde nós estamos assinando agora à tarde, junto ao Banco do Nordeste, duas embarcações de pesca oceânica, de 21 metros, que estão vindo aqui pra Bahia, para a Coopesc e para Comp, de Itacaré… que seria o carro chefe para mudança do setor pesqueiro na Bahia.”

Fabrício de Assis afirmou que a pesca na Bahia não é feita de modo industrial, mas artesanalmente, com linha de nylon, por falta de investimentos no setor.

O cooperado disse que os pescadores baianos esperavam há quatro anos por este tipo de financiamento.

“Rapaz, para o pescador em si, ajuda muito, porque nós não tinhamos antigamente a linha de crédito. A gente não tinha nem de onde tirar o financiamento. Hoje, com o Ministério (da Pesca), os pescadores têm sua documentação regular. Ele pode tirar um barco, ele pode investir. Então, financiamento vindo do governo federal, se o juro for baixo e que dê condição ao pescador trabalhar, é muito bom.”

Fabrício de Assis afirmou que, diante dos fracos resultados, muitos pescadores envelheceram e deixaram a profissão, que não atrai novos interessados.

A proposta será apreciada ainda pelas Comissões de Finanças e Tributação e de Constituição e Justiça. Se for aprovado nessas comissões, vai direto ao Senado.

De Brasília, Paulo Roberto Miranda.

Rádio Câmara

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Eu Aceito a Política de Privacidade

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.