Dia Mundial da Água: profissionais da Engenharia e Geologia contribuem para o uso consciente do recurso

Em 22 de março, também é celebrado o Dia do Engenheiro Hídrico e do Hidrogeólogo, profissionais que atuam na análise e monitoramento do bem mais importante para a vida no planeta

0

No último trimestre de 2021, o Operador Nacional do Sistema Elétrico (ONS) divulgou que os reservatórios do sistema Sudeste/Centro-Oeste, que geram 70% da energia do país, operavam com apenas 19,59% da capacidade. Segundo o ONS, trata-se da pior crise hídrica registrada no Brasil, em 91 anos de monitoramento das bacias hidrográficas do país. A partir da Resolução nº 492/2006 do Conselho Federal de Engenharia e Agronomia (Confea), os engenheiros hídricos passaram a ter essa atribuição, entre outras.

O Dia do Engenheiro Hídrico e do Hidrogeólogo é comemorado no dia 22 de março, mesmo dia em que é celebrado o Dia Mundial da Água. Não se trata de uma coincidência. Esses profissionais carregam a responsabilidade de gerar o bem mais precioso do planeta. Além do monitoramento das bacias, os engenheiros hídricos atuam em setores ligados à produção de energia elétrica.

No Estado, atualmente, há seis engenheiros hídricos registrados. E um hidrogeólogo: o conselheiro do Crea-PR PR (Conselho Regional de Engenharia e Agronomia do Paraná) Abdel Hach, geólogo e especialista em Hidrogeologia. Ele aponta que o Dia Mundial da Água foi instituído pela ONU para ressaltar a importância da preservação dos recursos. O Brasil tem a maior reserva hidrológica do planeta (12% da água doce), com destaque para os aquíferos Guarani (localizado no Brasil, Paraguai, Uruguai e Argentina) e Alter do Chão, na região amazônica.

Hach trabalha na iniciativa privada, no setor de extração de água em profundidades, por meio de poços artesianos, para consumo, irrigação e aplicações industriais. “Os profissionais da Hidrogeologia avaliam a viabilidade do consumo consciente da água, tanto na superfície, subsuperfície e em profundidades. São responsáveis também por dimensionar o volume de água a ser explorados sem prejudicar o ambiente”, explica Abdel Hach.

O especialista ressalta que a crise hídrica é um sinal de alerta e que ações para preservar as reservas de água devem acontecer em longo prazo. “A água dos aquíferos é muito antiga, de milhões de anos. A água das chuvas penetra no solo até chegar nos aquíferos. A recarga é bastante lenta. A água é um bem da humanidade e circula pelo planeta, sem fronteiras. Temos que pensar de maneira global para a preservação desse recurso, de maneira sustentável e consciente”, frisa Hach.

Atualmente, Abdel Hach é o representante do Crea-PR no Comitê Estadual de Segurança de Barragens do Paraná, ligado à Coordenadoria Estadual da Defesa Civil.

Recursos hídricos
A água não está relacionada apenas à vida das pessoas, mas também à economia. No Brasil, as hidrelétricas são a principal fonte de energia elétrica. Conforme a Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel), cerca de 67% da energia gerada vem de fontes hidráulicas. A falta de chuvas afeta os reservatórios das hidrelétricas, reduz a produção de energia e leva ao aumento do uso de usinas termelétricas – e à elevação no custo da geração de energia para os consumidores.

A engenheira hídrica Josiane Mendonça Simão atua em uma empresa com sede em Maringá que presta serviços de análise e monitoramento para cerca de 200 empreendimentos hidrelétricos no Brasil, entre Centrais Geradoras Hidrelétricas (CGHs), Pequenas Centrais Hidrelétricas (PCHs) e Usinas Hidrelétricas (UHE).

Josiane é responsável pela análise e validação dos dados coletados em campo por técnicos hidrometristas. “Há uma relação direta entre monitoramento e produção de energia. A partir dos dados de vazões, é possível fazer previsões de geração de energia, extremamente importantes para os concessionários”, pontua a engenheira. Os relatórios também são enviados para a Agência Nacional de Águas e Saneamento Básico (ANA).

Alguns dos reservatórios monitorados são de usos múltiplos, ou seja, também utilizados para captação de água para consumo. “O monitoramento, nesses casos, serve para identificar quando o reservatório está muito baixo e o que prevalece é o uso para consumo”, explica Josiane.

Segurança
O monitoramento ainda está atrelado à segurança. No caso de excesso de chuvas, é preciso controlar o volume de água nos reservatórios. “É preciso evitar que a água ultrapasse o barramento e, ao mesmo tempo, controlar a vazão. Não se pode abrir uma comporta e liberar de uma vez, pois pode colocar em risco a vida de comunidades próximas. O monitoramento em tempo real possibilita fazer a liberação de forma gradual”, completa a engenheira.

A segurança dos projetos relacionados à infraestrutura também está ligada aos engenheiros hídricos. Nelson Pereira de Castro, por exemplo, é gerente da área de recursos hídricos de uma multinacional com foco no atendimento dos setores de energia, desenvolvimento urbano e infraestrutura hídrica, atuando em todas as regiões do Brasil, inclusive no Paraná.

O engenheiro hídrico Nelson trabalha com modelagens hidrodinâmicas. Utilizando softwares de alto desempenho como ferramentas, ele monta cenários e simula condições prováveis para estruturas hidráulicas, como barragens de mineração e de produção de energia elétrica.

“Com os softwares de modelagens, por exemplo, é possível simular as condições de vertedouro de uma barragem de mineração e verificar se o que foi dimensionado suporta a vazão de projeto, atribuindo maior confiabilidade aos empreendimentos. São ferramentas que permitem realizar avaliação atual e futura de projetos existentes e de novas estruturas, contribuindo assim com a segurança do empreendimento, da população e do meio ambiente”, comenta Nelson.

A modelagem hidrodinâmica também pode ser aplicada no diagnóstico de recursos hídricos. Nelson gerencia contratos para verificação do potencial de abastecimento de determinadas bacias hidrográficas. Os profissionais vão a campo para cadastrar nascentes e realizar medições de parâmetros físico-químicos. “Em contratos assim, trabalhamos de forma interdisciplinar em conjunto com profissional hidrogeólogo, para análise da água subterrânea”, finaliza o engenheiro hídrico.

Assessoria de Imprensa CREA-PR

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.