Centrais acreditam que novo salário mínimo será superior a R$ 538,00

1

As duas principais centrais sindicais do País já se preparam para negociar com o próximo governo um aumento real do salário mínimo em 2011. Para a Central Única dos Trabalhadores (CUT) e a Força Sindical, o valor ficará acima dos R$ 538 previstos no projeto da lei orçamentária enviado nesta terça-feira (31) pelo governo ao Congresso.

O presidente da CUT, Artur Henrique, afirma que uma proposta alternativa está sendo preparada pelo Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese). Ele lembra que o salário mínimo vem tendo aumentos reais desde 2003 e que o projeto de lei orçamentária é apenas uma previsão de gastos da União, que pode ser alterada após diálogo com os diversos atores sociais.

“Desde 2004 nós estamos conseguindo, pelo processo de negociação, a partir da pressão das marchas a Brasília pelo salário mínimo, um reajuste maior que o da previsão inicial do projeto de lei orçamentária”, diz Artur Henrique.

O reajuste proposto, de 5,52%, limita-se a repor a inflação prevista para 2010. O governo alega que apenas segue as regras acertadas com as centrais sindicais em 2007. Pela política atual, o aumento do salário mínimo será equivalente à inflação acumulada no ano anterior mais a variação do PIBIndicador que mede a produção total de bens e serviços finais de um país, levando em conta três grupos principais: – agropecuária, formado por agricultura extrativa vegetal e pecuária; – indústria, que engloba áreas extrativa mineral, de transformação, serviços industriais de utilidade pública e construção civil; e – serviços, que incluem comércio, transporte, comunicação, serviços da administração pública e outros. A partir de uma comparação entre a produção de um ano e do anterior, encontra-se a variação anual do PIB.  de dois anos antes.

Ou seja, para 2011 o aumento seria a previsão de inflação para 2010 (5,52%) mais o PIB de 2009. Mas como o PIB desse ano não cresceu – ao contrário, apresentou um declínio de 0,2% – desta vez não haveria aumento real para o salário mínimo.

Distribuição de renda
O presidente em exercício da Força Sindical, Miguel Torres, argumenta que um reajuste “digno” do salário mínimo é uma forma de distribuir renda, fortalecer o mercado interno, elevar a produção e o consumo, além de gerar novos postos de trabalho.

Torres afirma que o crescimento do mercado interno e o aumento real do salário mínimo foram decisivos para ajudar o Brasil superar a crise econômica iniciada em 2008. Ele ressalta, ainda, que o reajuste do mínimo ajuda a aumentar o valor do piso de diversas categorias profissionais.

“Como a crise ficou para trás, queremos consolidar nossa economia através de bons reajustes do salário mínimo e das aposentadorias”, afirma. “Lembramos que há o compromisso do governo com as centrais sindicais de empreender uma política permanente de valorização do mínimo até 2023”.

Reportagem – Luiz Claudio Pinheiro

1 COMENTÁRIO

  1. O salário minimo ,realmente á uma grande vergonha nacional,os governantes só pensa, no bem estar deles.o salário deles aumenta quase 100,por cento,enquanto o nosso aumenta entre torno de 5 a 7 porcento,isso realmente me deixa envergonhado de dizer que sou brasileiro.oque dar pra fazer com 538.00 com uma família de 5 pessoas?muito mal dar prá uma pessoa viver imagine 5 pessoas dependendo desse grannnnnnde salário de miséria.o nosso país é muito rico,não haveria necessidade de ninguem passar fome,mas infelismente estamos num país corrúpito,estou indignado com esse aumento.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Eu Aceito a Política de Privacidade

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.