Pesquisa do Instituto Nacional do Câncer demonstra: mesmo com a queda no consumo de cigarros nas últimas décadas, o Brasil ainda tem 25 milhões de fumantes entre a população acima de 15 anos.

Os percentuais de fumantes foram maiores entre os homens, entre as pessoas de 45 a 64 anos de idade, entre os moradores da região Sul e os que viviam na área rural.

Vinte e cinco vírgula sete por cento não têm instrução ou têm menos de um ano de estudo e 23,1% estão entre os de menor renda – ganham menos de um quarto de salário mínimo. Ainda assim, de acordo com o estudo do Inca, uma família composta por um casal de fumantes, residente em uma cidade do Sudeste do país, gasta, por mês, R$ 128,60 na compra de cigarros. Por ano, a despesa chega a mais de R$ 1.500.

Na Câmara, há 129 projetos de lei em discussão com o objetivo de reduzir o consumo de cigarros. Uma frente parlamentar pelo controle do tabaco promove debate sobre o tema na Casa. A deputada Cida Diogo, do PT do Rio de Janeiro, fala do trabalho do grupo.

“Verificar como é que podemos buscar agilizar a tramitação desses projetos, buscar negociar com a Mesa Diretora, pautar projetos com esse objetivo são estratégias que a frente tem discutido, tem estabelecido como ação e que a gente vai estar reforçando como membro da frente e, principalmente, como profissional de saúde que sou, como médica, sabendo da importância que é a redução do uso do cigarro para melhorar a qualidade de vida e reduzir a possibilidade de adoecimento das pessoas.”

Vice-presidente da frente, o deputado Luiz Carlos Hauly, do PSDB do Paraná, destaca a aprovação pelo Congresso, há cerca de dez anos, da legislação que restringiu a publicidade de cigarro a cartazes nos locais de venda. Hauly é favorável a uma proibição ainda mais rígida.

“Já temos a conquista de não ter publicidade nos meios de comunicação do país, agora precisa restringir mais essa questão da publicidade, principalmente perto de colégios, onde há crianças, menores, a exposição de cigarro perto da venda de doces, então, temos como pais, como deputados, defender o interesse do nosso povo, da nossa gente.”

Luiz Carlos Hauly é autor de projeto que proíbe a venda de cigarros em locais públicos, como aeroportos e rodoviárias (5823/2001).

Na mesma linha, o deputado William Woo, PPS de São Paulo, propôs restrição do fumo em ambientes coletivos fechados (PL 5840/2009).

“Existe o fumante passivo, aquele que frequenta o mesmo local do usuário do fumo que tem prejudicado a saúde de todos. Precisamos criar ambientes livres do tabaco e principalmente dificultar e tributar cada vez mais para que cada vez menos tenhamos o consumo do tabaco no país.”

Enquanto não é aprovada lei federal proibindo o fumo em locais fechados, vários estados já adotam a medida. Outras ações adotadas no país para diminuir o consumo de cigarro foram o aumento de impostos sobre os produtos de tabaco e o aumento da oferta de tratamento para deixar de fumar no SUS.

De Brasília, Geórgia Moraes

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.